1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Como enfrentar a onda de imigração nas Ilhas Canárias?

O fluxo de imigrantes nas costas espanholas aumenta. Enquanto a Espanha se desespera, a Europa acusa. A DW-WORLD conversou sobre esse tema com Axel Kreienbrink, especialista no assunto.

default

As mãos machucadas de um imigrante africano sobre cerca de um centro para refugiados na Espanha

"A Espanha assiste impotente à chegada maciça de imigrantes", estampam os jornais. A DW-WORLD conversou a respeito com o especialista em imigração Axel Kreienbrink, autor do livro: Espanha país de imigração – Política de imigração entre a europeização e os interesses nacionais.

DW-WORLD: É verdadeira a afirmação de que a Espanha está impotente diante da chegada dos imigrantes africanos?

Axel Kreienbrink: Como Estado individual, sim, bastante, porque possui fronteiras muito extensas, não sendo possível vigiá-las completamente. E porque, como acontece agora nas Canárias, quando uma medida de política de imigração funciona melhor, como é o caso do Marrocos, os imigrantes partem de outras localidades. Como da Mauritânia, Senegal e Cabo Verde.

O senhor acha que existe uma medida capaz de frear esta onda imigratória?

A curto prazo pode-se aumentar a segurança, como exigem os políticos, isso significa mais controle, mais Marinha, mais barcos que interceptem os navios frente às costas do Senegal e Mauritânia. Entretanto essa é uma medida que depende de um acordo com esses países. Como aconteceu com o Marrocos, onde tudo funciona muito melhor se compararmos com os anos anteriores. Entretanto, através dessa rota ainda chegaram mais de 6 mil pessoas na Península Ibérica desde o começo do ano. Assim, é difícil impedir o fenômeno a curto prazo.

E uma medida a longo prazo?

Depende da duração do prazo. A resposta clássica a longo prazo é a de que se solucionassem as razões da emigração da África, as pessoas teriam menos motivos para ir embora. O problema é que, ao iniciar uma boa ajuda ao desenvolvimento – e é questionável a atual política de desenvolvimento e cooperação –, a curto prazo dá-se o fenômeno de crescimento da emigração, pois no momento em que se aumentam os meios econômicos de uma região, as pessoas têm imediatamente os recursos para abandoná-la. E assim o fazem. Isto só pode ser visto como uma estratégia a muito longo prazo.

Elendsflüchtlinge aus Afrika

Barco com imigrantes africanos em direção à costa espanhola

Então existe alguma possibilidade para solucionar o problema?

Perguntar se é possível solucionar esse problema totalmente sugere que se pode suprimir a imigração per se. Contudo, os estudos demonstram que a imigração é um fenômeno que faz parte da condição humana. O problema surge quando existe um fluxo incontrolado em uma região específica, como é o caso da Espanha neste momento. Todavia, se comparado com os verdadeiros fluxos migratórios mundiais, ele é relativamente pequeno. As verdadeiras correntes migratórias se dão agora na África. E a pergunta é se realmente a melhor estratégia é fechar fronteiras. A única estratégia é fazer algo contra a pobreza, a destruição do meio ambiente e a guerra.

A Europa abandonou a Espanha em relação a este problema?

Não, existe um pacote de medidas para a Europa que são válidas para todos os membros da União Européia. Os Estados europeus entraram em comum acordo em relação às medidas, e é preciso levar em conta que em muitas esferas desse tema os próprios membros da UE disseram: "Não queremos que isso seja decidido por Bruxelas". Todos os Estados nacionais têm competências próprias no âmbito da imigração. Sobretudo em relação à imigração de força de trabalho. Nesse sentido não se pode dizer que a Europa deixou a Espanha sozinha. Afinal os Estados nacionais não deram à UE o poder de atuação nesse assunto.

A alternativa seria uma força em nível europeu que possa impedir a imigração. Algo assim está apenas começando, com o Frontex [programa da Agência Européia de Fronteiras]. Basicamente essa operação está ainda em fase de teste, é preciso ver se funcionará.

Mas além das questões políticas e as possibilidades de médio e longo prazo, os imigrantes são reais e estão nas Ilhas Canárias...

A ordem no momento é levá-los à Península, aos centros para refugiados e, após 40 dias, libertá-los, de acordo com a lei em vigor desde 1985. É quase impossível descobrir a proveniência dos imigrantes, pois eles destroem seus passaportes a fim de impossibilitar a sua expulsão do país. Este é um problema central. Ao mandá-los às ruas, acabam permanecendo na Espanha.

A situação nas costas espanholas afeta de alguma maneira a Alemanha?

A médio prazo. Considerando que as pessoas que entram pelo sul da Europa, como pela Espanha e Itália, distribuem-se pela Europa e aí permanecem ilegais.

Leia mais