Comitê manterá cadeira de Liu Xiaobo vazia durante cerimônia do Nobel | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 09.12.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Comitê manterá cadeira de Liu Xiaobo vazia durante cerimônia do Nobel

China não cedeu a apelos internacionais e não vai liberar ganhador do Nobel da Paz. É a primeira vez em 74 anos que premiado ou familiares não vão à cerimônia de entrega. Comitê diz que Pequim deveria rever posição.

default

Liu Xiaobo

O clima para a entrega do Prêmio Nobel edição 2010 não é o dos mais harmônicos. Desde que o ganhador do Nobel da Paz foi anunciado, o mal-estar entre China e Noruega, país que sedia o comitê que nomeia os ganhadores, aumentou à medida que a cerimônia se aproximava.

A cadeira destinada a Liu Xiaobo, dissidente chinês escolhido ganhador do Nobel da Paz, ficará vazia ao longo da premiação, marcada para esta sexta-feira (10/12). Durante uma coletiva de imprensa nesta quinta-feira, o chefe do comitê, Thorbjoern Jagland, reforçou que a escolha de Xiaobo não é uma tentativa de impor os valores do Ocidente à China.

"Isto não é um protesto. Isto é um sinal à China de que seria muito importante para o futuro do país combinar desenvolvimento econômico com reformas políticas e apoio aos que lutam por direitos humanos básicos na China", argumentou Jagland.

Na véspera da cerimônia, o governo chinês avisou que não cederá à pressão internacional para libertar Liu Xiaobo e sua esposa, Liu Xia, que está em prisão domiciliar.

Troca de farpas

Pequim interpretou como uma afronta o fato de Liu Xiaobo ganhar o Prêmio Nobel da Paz. Segundo a porta-voz do ministério de Relações Exteriores, Jiang Yu, qualquer tentativa de "deter a China de se desenvolver" não será bem-sucedida.

"A China pede aos legisladores norte-americanos que encerrem suas falas equívocas e atividades na questão Liu Xiaobo e que mudem sua atitude arrogante e rude. Eles deveriam respeitar os chineses e a soberania legal da China", disse a porta-voz, em referência à resolução a favor de Xiaobo, aprovada na quarta-feira pela Câmara dos Representantes dos Estados Unidos.

Em Cancún, onde acontecem as negociações climáticas, o governo chinês deu outra mostra da crescente tensão com a Noruega. A delegação chinesa se recusou a encontrar a equipe norueguesa, liderada pelo primeiro-ministro, Jens Stoltenberg, e pelo ministro de Meio Ambiente, Erik Solheim.

"Não há dúvida de que a China vê o Prêmio da Paz como parte da cruzada ocidental contra a forma de governo chinês", disse Solheim, lamentando o fato de Pequim evitar os encontros políticos.

Enquanto isso, um comentário publicado em inglês pela agência de notícias estatal chinesa Xinhua, nesta quarta-feira, dizia que "Liu Xiaobo fez tudo que podia para subverter o governo chinês, e que isso ia de acordo com a estratégia contra a China de algumas organizações e pessoas no Ocidente".

Marco na história

É a primeira vez em 74 anos que um ganhador do Nobel da Paz, ou um representante de sua família, não participará da cerimônia. O último episódio foi em 1936, quando o alemão Carl von Ossietzky não pode viajar a Oslo por imposição dos nazistas.

Liu Xiaobo, 54 anos, foi preso no Natal de 2009, acusado de subverter o governo chinês e por ter sido o principal autor de um manifesto assinado por intelectuais e ativistas a favor de reformas democráticas no país. Na entrega do prêmio, é aguardada a presença de um grupo de 40 exilados chineses e dissidentes que representa a força democrática na China.

O boicote promovido por Pequim ao evento desta sexta-feira foi aderido por outras 20 nações. O governo chinês bloqueou o acesso aos sites da BBC e da CNN. Ambos os portais farão a transmissão ao vivo da entrega do prêmio.

NP/dpa/rts
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais