1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Comissão pede tolerância zero com abusos em missões de paz

Painel chefiado pelo Nobel da Paz Ramos-Horta pede que militares acusados de abusos sejam julgados em seus países e defende que tropas de nações envolvidas em exploração sexual sejam barradas em missões da ONU.

Uma comissão especial chefiada pelo Nobel da Paz José Ramos-Horta divulgou nesta quarta-feira (17/06) o mais completo relatório dos últimos 15 anos sobre as operações de paz da ONU, abaladas nos últimos meses por

acusações

de que soldados cometeram abusos em países como Haiti, Libéria e República Centro-Africana.

O relatório, entregue ao secretário-geral, Ban Ki-moon, defende que a ONU empregue uma política de "tolerância zero" e facilite, a qualquer momento, a investigação de integrantes das missões suspeitos de abusos e exploração sexual.

"Uma tolerância zero contra a exploração sexual e o abuso deve significar exatamente isso, tolerância zero", disse em entrevista coletiva o ex-presidente do Timor-Leste. "Se alguém comete uma atrocidade, não deve ter qualquer tipo de proteção. Não se pode proteger [suspeitos] sob o teto da ONU."

Elaborado por um painel de especialistas, o relatório vem a público no momento em que a ONU tem 125 mil soldados espalhados pelo mundo, o número mais alto de sua história. Segundo os autores, o objetivo é adaptar as operações dos capacetes azuis ao século 21.

O texto defende missões mais rápidas, em que a questão política prevaleça sobre a militar, e operações mais realistas. Porém, durante a apresentação do relatório, o assunto ao qual mais se deu destaque foram as denúncias de abusos por parte dos militares.

Na última segunda-feira, um relatório do Escritório da ONU para Serviços de Supervisão Interna (Essi) mostrou que os militares que participam em missões de paz da organização em países como Haiti e Libéria cometeram uma série de crimes sexuais.

Os militares da missão no Haiti, que é chefiada pelo Brasil, são acusados de trocarem itens como vestidos, joias e telefones celulares por favores sexuais, explorando a situação de crise no país.

As denúncias foram feitas um mês depois de 14 soldados franceses, que estavam servindo como forças de paz no conflito na República Centro-Africana, terem sido colocados sob investigação, acusados de terem abusado de crianças com idade entre nove e 13 anos.

Como os militares da ONU não podem ser julgados nos países onde foram destacados, Ramos-Horta defendeu, nesta quarta-feira, que seus Estados de origem os levem à Justiça e mantenham não só as Nações Unidas como também o público informados do andamento dos processos.

O relatório defende ainda que não sejam aceitas sob a bandeira da ONU tropas de países que apareçam citados nos informes sobre violência contra crianças e mulheres em conflitos armados.

RPR/rtr/ap/afp

Leia mais