Comissão Europeia quer programa comum de acolhimento de refugiados | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 21.09.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Comissão Europeia quer programa comum de acolhimento de refugiados

Os ministros do Interior da UE rediscutem política de asilo e de refugiados e avaliam uma nova proposta da Comissão Europeia sobre a aproximação das políticas nacionais de aceitação de refugiados.

default

Imigrantes ilegais em Lampedusa

De acordo com as Nações Unidas, em todo o mundo há 750 mil refugiados que não podem permanecer nos países para onde fugiram nem retornar aos seus lugares de origem. A Comissão Europeia quer coordenar um programa para que os países-membros do bloco recebam uma pequena parte desse contingente. Para cada pessoa aceita, o país receberia 4 mil euros do Fundo Europeu de Refugiados.

O presidente do Conselho dos Ministros do Interior, o sueco Tobias Billström, defende a proposta. "Ao oferecermos um programa de assentamento, poderemos dar refúgio a mais pessoas na União Europeia, pois atualmente alguns países-membros têm um programa próprio e outros não; e também há países que simplesmente desconhecem as possibilidades oferecidas por esses programas", argumentou o ministro.

Resistências internas

A proposta foi bem aceita de uma forma geral, mas também contou com forte resistência por parte de determinados países. A ministra austríaca do Interior, Maria Fekter, exigiu que a participação no programa de acolhimento de refugiados seja voluntária. Ela teme que os países-membros sejam pressionados a aceitar refugiados ou obrigados a se justificar caso não queiram participar do programa.

O alto comissário da ONU para refugiados, António Guterres, considera esse tipo de ressalva um impedimento de qualquer avanço na política de migração. "É fundamental que a Europa garanta aos requerentes de asilo um acesso ao seu território e passe a tratá-los com justiça em suas reivindicações", apelou ele.

Guterres sabe do que está falando. Há meses, a Itália vem mandando de volta para a Líbia os refugiados que chegam ao seu território pelo Mediterrâneo. No entanto, a Líbia não é um país nada seguro para eles, adverte Guterres.

Imagem da Europa em jogo

O Alto Comissariado da ONU para Refugiados também criticou o estado dos acampamentos de refugiados da Grécia. Para o ministro alemão do Interior, Wolfgang Schäuble, isso também prejudica a imagem da Europa. "O respeito aos direitos fundamentais não deve ser colocado em questão na Europa, pois isso é um pressuposto básico da ideia europeia de união."

A política de refugiados promete continuar sendo altamente polêmica na Europa. Afinal, o empenho pelos direitos humanos muitas vezes entra em conflito com o medo da população europeia de uma estrangeirização exacerbada.

Autor: Christoph Hasselbach (sl)
Revisão: Augusto Valente

Leia mais