Comissão Europeia quer aumento do fundo de resgate do euro | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 12.01.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Comissão Europeia quer aumento do fundo de resgate do euro

Intenção da Comissão Europeia esbarra na resistência da Alemanha e da França e é comunicada apesar do sucesso de Portugal no leilão de títulos de sua dívida. Segundo Barroso, medida tranquilizaria mercados.

default

Para Durão Barroso, aumento do fundo tranquilizará mercados

A Comissão Europeia quer aumentar o fundo de resgate do euro, apesar da resistência de Alemanha e França e mesmo depois do pequeno êxito obtido por Portugal. O endividado país ibérico conseguiu nesta quarta-feira (12/1) vender com sucesso 1,249 bilhão de euros em títulos do governo em um leilão que teve forte demanda e foi avaliado como uma prova da capacidade portuguesa de se autofinanciar no mercado.

Mesmo assim, a Comissão Europeia quer uma ampliação do fundo de resgate do euro, como forma de tranquilizar os mercados. O presidente da Comissão Europeia defendeu nesta quarta-feira, em Bruxelas, que os líderes europeus devem tomar em fevereiro a decisão de aumentar o fundo de resgate aos países da zona euro com dificuldades para pagar suas dívidas públicas.

"A Comissão diz claramente que consideramos que a sua capacidade efetiva de empréstimo deve ser reforçada e que o campo de ação das suas atividades deve ser ampliado", disse José Manuel Durão Barroso. Ele insistiu que a decisão para reforçar o fundo de resgate deve ser tomada na cúpula europeia agendada para 4 de fevereiro em Bruxelas.

Medida de precaução

Triptychon Angela Merkel Haushalt 2

Merkel afirmou que fundo está longe de se esgotar

"Os mercados precisam saber que a estabilidade do euro não está em jogo", ressaltou. Durão Barroso disse ainda que a ampliação do fundo seria uma "mera medida de precaução". "Isso não quer dizer que o fundo logo será usado para ajudar o país A ou B", observou.

O fundo europeu de estabilização financeira tem verbas num montante de 750 bilhões de euros, dos quais 440 bilhões são garantidos pelos países-membros, 60 bilhões, pela Comissão Europeia e 250 bilhões, pelo Fundo Monetário Internacional (FMI).

A Alemanha e a França são claramente contrárias a um possível aumento do fundo. A chanceler federal alemã, Angela Merkel, se mostrou reticente. "Não quero comentar isso agora", afirmou.

Ela lembrou que, até agora, só a Irlanda precisou da ajuda do fundo e que este, por isso, está longe de se esgotar. O porta-voz do governo alemão, Steffen Seibert, foi ainda mais claro. "Não há necessidade alguma para uma ampliação do fundo no momento", disse ele.

Relatório de Crescimento Anual

Em consequência à crise do euro, a União Europeia (UE) pede aos seus membros que adotem uma linha dura na redução da dívida pública. Metas anuais estabelecidas por Bruxelas para as políticas financeira e econômica pretendem, a partir de agora, garantir que os 27 integrantes do bloco sigam uma linha comum.

Pela primeira vez, a Comissão Europeia apresentou seu Relatório de Crescimento Anual. Nele, ela reivindica reformas no mercado de trabalho e nos sistemas previdenciários, assim como um compromisso maior com o crescimento econômico. "Com esse relatório, começa uma nova fase para a integração", anunciou Barroso.

Merkel disse estar satisfeita com os resultados do leilão da dívida pública portuguesa e elogiou as medidas de austeridade do governo de Portugal. "Pelo que sei, o leilão correu muito bem. Penso que são boas notícias", afirmou Merkel após se encontrar em Berlim com o primeiro-ministro italiano, Sílvio Berlusconi, nesta quarta-feira.

Procura foi 3,2 vezes superior à oferta

Portugal Präsident Jose Socrates

José Socrates descartou ajuda internacional

Portugal vendeu nesta quarta-feira títulos com vencimentos em dez anos com uma taxa de juros de 6,716%, menores que o do leilão anterior, quando atingiram 6,806%. Nos títulos com vencimento em quatro anos, a taxa de juros foi de 5,396%, num leilão que teve uma procura 3,2 vezes superior à oferta.

Em visita a uma feira têxtil em Frankfurt, o primeiro-ministro português, José Sócrates, descartou nesta quarta-feira que Portugal vá pedir ajuda internacional. "Não precisamos dessa ajuda", afirmou o chefe de governo. "Tudo o que precisamos é confiança", complementou.

MD/lusa/dpa
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais