1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Comissão Europeia prevê deflação na zona do euro em 2015

Queda ao longo do ano deverá ser de 0,1%, motivada pela redução no preço do petróleo e pela desvalorização do euro. PIB anual crescerá 1,3% na região de moeda comum.

A Comissão Europeia prevê deflação na zona do euro em 2015, segundo um prognóstico divulgado nesta quinta-feira (05/02) em Bruxelas. A previsão é de que os preços deverão cair 0,1% no ano. Em 2016, a zona do euro provavelmente terá novamente inflação positiva, de 1,3%.

A previsão anterior da Comissão Europeia para a inflação na zona do euro em 2015 era de 0,8%. O Banco Central Europeu trabalha com uma meta de inflação de 2% ao ano. Somente com esse percentual a estabilidade de preços estaria assegurada, diz a autoridade monetária.

PIB em alta

A Comissão Europeia também divulgou novas previsões sobre o desempenho da economia da zona do euro. Para 2015, é esperado um crescimento de 1,3%, alta de 0,2 ponto percentual em relação ao prognóstico anterior. No ano seguinte, o Produto Interno Bruto (PIB) deverá subir 1,9%, ante o 1,7% previsto anteriormente.

O comissário europeu dos Assuntos Econômicos e Financeiros, Pierre Moscovici, atribuiu a melhora na perspectiva à queda no preço do petróleo, o que barateia os custos de energia do setor produtivo, e ao euro mais barato, o que estimula as exportações europeias.

Também a política de dinheiro barato do Banco Central Europeu, por meio de juros baixos, e o programa de investimentos da Comissão Europeia são apontados como motivos para a perspectiva otimista.

Para a Alemanha, as previsões são de crescimento de 1,5% do PIB em 2015 e de 2% no ano seguinte. Para a França, de 1% e 1,8%, respectivamente. Para a Itália, terceira maior economia do euro, as previsões são de alta de 0,6% e 1,3%.

A Comissão Europeia revisou para baixo, porém, as previsões para a Grécia. Em 2015, o crescimento da economia grega deverá ser de 2,5% (a previsão anterior era de 2,9%). Em 2016, de 3,6% (ante 3,7% aguardados anteriormente).

AS/rtr/afp

Leia mais