Comissão Europeia anuncia proposta para criar títulos comuns da dívida | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 23.11.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Comissão Europeia anuncia proposta para criar títulos comuns da dívida

Órgão executivo da União Europeia acredita que a medida possa estabilizar a moeda comum e controlar a crise da dívida. Alemanha, maior economia do bloco, rejeita a instituição de eurobonds.

Barroso apresenta três opções para títulos comuns da dívida

Barroso apresenta três opções para títulos comuns da dívida

A emissão de títulos comuns da dívida europeia – os chamados eurobonds – poderia se dar de três maneiras, segundo apresentou nesta quarta-feira (23/11) o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso. A medida é considerada pela instituição uma possível saída para estabilização da zona do euro e controlar a crise da dívida no bloco.

A primeira opção, mais ambiciosa, prevê a substituição dos títulos de todos os 17 mercados nacionais da zona do euro com obrigações comuns, apoiado por todos os governos que usam a moeda comum. A segunda opção também iria abranger títulos comuns, mas apenas até um determinado nível. Países com dívidas acima de um limite definido teriam que refinanciar o restante, confiando na emissão de títulos nacionais.

Já a terceira opção, a mais limitada, também estabelece títulos comuns da dívida, mas com cada governo garantindo apenas sua própria cota de emissão. Isso significa que a Alemanha não precisaria se responsabilizar, por exemplo, por um calote da Grécia.

O comissário europeu de Assuntos Financeiros, Olli Rehn, explicou que as duas primeiras opções poderiam ser mais efetivas, mas "muito provavelmente" seria necessário fazer mudanças nos tratados da UE, o que deve demandar algum prazo. A terceira opção, assim, traria menos benefícios, mas não precisaria de mudanças no estatuto do bloco.

A comissão acredita que, ainda que não sejam implementados, o simples anúncio da introdução dos eurobonds ocasionaria um grande impacto positivo nos mercados, assim como taxas mais baixas e menores custos de financiamento para países com problemas.

Haushaltsberatungen im Bundestag in Berlin Deutschland

Merkel: Propostas são 'inquietantes'

Posições controversas

Apesar de concordar com algumas propostas da Comissão Europeia para conter a crise da dívida na Europa, a chanceler federal alemã, Angela Merkel, vem rejeitando com veemência a criação dos eurobonds, assim como o financiamento de países endividados através de recursos do Banco Central Europeu (BCE).

Ao anunciar as três possibilidades de títulos comuns da dívida, Barroso mostrou-se irritado com o fato de a ideia dos títulos comuns, que ele agora chama de títulos para estabilização, ter sido rejeitada antes mesmo de colocada sobre a mesa. Ele provavelmente referia-se a Merkel, que na manhã desta quarta-feira considerou as propostas "muito inquietantes e inadequadas".

"Acho inoportuno em nossa União Europeia e desrespeitoso com os direitos e obrigações de todas as instituições logo de início dizer que um debate não deveria sequer ser promovido", criticou Barroso.

Resistência em outros países

A implantação de títulos comuns também encontra resistência em outros países, como Finlândia e Holanda. O ministro holandês de Finanças, Jan Kees de Jager, afirmou nesta quarta-feira que os eurobonds "não são uma solução mágica" para sair da crise. "Apesar de não excluir os eurobonds a longo prazo, precisamos fazer as coisas prioritárias primeiro, e isso significa estabelecer uma supervisão rigorosa e aplicação da disciplina orçamentária", afirmou De Jager.

Berlim apoia a posição da comissão de exigir maior disciplina na política financeira dos Estados-membros e um maior controle recíproco, inclusive com a possibilidade de que um orçamento nacional deficitário possa ser rejeitado. Também agrada à Alemanha – a maior economia do bloco – a proposta feita por Olli Rehn de que a comissão faça sugestões ao conselho dos Estados-membros quando um país precisar recorrer à ajuda financeira.

"A experiência nos mostrou que um Estado-membro tenta evitar recorrer ao programa de ajuda até o último momento. Isso piora bastante a situação do país afetado e de toda a zona do euro e aumenta os custos para outros Estados-membros e a demanda por financiamento", ressaltou Barroso.

MSB/dpa/dw/dapd/afp
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais