Comissão Europeia anuncia más perspectivas conjunturais na zona do euro | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 04.05.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Comissão Europeia anuncia más perspectivas conjunturais na zona do euro

Órgão da UE apresenta relatório com prognósticos para 2009-2010: déficits crescentes e desemprego. Mais gastos, menos arrecadação com impostos e pacotes conjunturais estão entre as causas. Apesar de tudo, há otimismo.

default

Comissário da UE para a Economia, Joaquín Almunia

As crises financeira e econômica deixam na Europa marcas mais profundas do que se acreditava até agora. Pelo menos é o que dizem as projeções para a conjuntura divulgadas pela Comissão Europeia nesta segunda-feira (04/05), em Bruxelas. Segundo o relatório, o rendimento econômico do bloco europeu cairá 4% neste ano.

Além disso, pela primeira vez em quatro anos, a Alemanha está arriscada a não cumprir as determinações da União Europeia sobre o endividamento público, estando ameaçada de um novo processo. O déficit público alemão tende a alcançar 3,9% do Produto Interno Bruto (PIB), enquanto o Pacto de Estabilidade e Crescimento (PEC) da UE permite um máximo de 3%.

A consequência deverá ser um processo por endividamento excessivo. Entretanto, o comissário da UE para Assuntos Econômicos e Monetários, Joaquín Almunia, antecipou que primeiramente pretende investir contra Malta e quatro países-membros que não adotaram o euro – Letônia, Lituânia, Polônia e Romênia – os quais ultrapassaram claramente a marca dos 3% em 2008.

A Comissão Europeia calcula que 13 das 16 nações da área da moeda comum violarão o PEC em 2009 – sendo as exceções o Chipre, a Finlândia e Luxemburgo. O recorde negativo permanece na Irlanda, onde se anuncia um déficit de 12% em relação ao PIB.

Segundo Almunia, as principais causas do endividamento crescente são os altos gastos com o desemprego, menores arrecadações de impostos e os pacotes conjunturais nacionais.

Mercado de trabalho e PIB encolhem

As más notícias se estendem ao mercado de trabalho. A Comissão calcula o corte de 8,5 milhões de postos de trabalho em todo o bloco em 2009 e 2010. Apenas na Alemanha, deverão ser perdidos 1,5 milhão de empregos até o próximo ano. Isso representaria um aumento na taxa de desemprego em 2010 para 10,4%, depois dos 8,6% de 2009. As projeções do governo federal alemão são de 1,3 milhão.

A Comissão Europeia calcula ainda que o PIB alemão diminua 5,4% em 2009 – a maior queda desde a criação da República Federal da Alemanha. O governo de Berlim é ainda mais pessimista e conta com uma queda de 6%. Entre os 16 países cuja moeda nacional é o euro, somente a Irlanda sofre mais com a recessão, com a expectativa de retração de 9%.

E, no entanto, otimismo

Apesar das perspectivas preocupantes, Almunia esforçou-se por irradiar confiança. Segundo o espanhol, há primeiros sinais de estabilização na zona do euro. "Não estamos mais em queda livre", assegurou em Bruxelas. Porém as expectativas para o próximo ano ainda estão cercadas por insegurança, ressalvou.

Para 2010, a Comissão prognosticou um ligeiro crescimento econômico na Alemanha, de 0,3% – as estimativas de Berlim são de 0,5%. No geral, entretanto, a média dos 16 países da zona do euro deverá permanecer ligeiramente negativa, com -0,1%.

AV/afp/dpa
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais