1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Comissão Européia multa a Siemens em 419 milhões de euros

Onze empresas são acusadas de formação de cartel para fixação de preços de equipamentos elétricos. Valor total da multa supera 750 milhões de euros.

default

Empresa alemã está envolvida no terceiro escândalo em menos de um ano

A Comissão Européia aplicou uma multa de 419 milhões de euros à empresa alemã Siemens por formação de cartel para a fixação de preços de equipamentos elétricos. É a maior multa já aplicada a uma empresa por participação em um cartel na história da União Européia (UE).

A decisão foi anunciada nesta quarta-feira (24/01), véspera da assembléia-geral da Siemens. A empresa anunciou que recorrerá da decisão. "Consideramos a multa totalmente exagerada e sem fundamento", afirmou o diretor da divisão Power Transmission & Distribution, Udo Niehage.

Onze empresas são acusadas pelas autoridades européias de participar do esquema, entre elas as francesas Schneider, Alstom e Arewa e as japonesas Hitachi e Mitsubishi. A suíça ABB escapou da multa de 215 milhões de euros por ter colaborado com as autoridades antitruste. A soma de todas as multas ultrapassa 750 milhões de euros, a segunda maior da história da UE.

Investigações desde 2004

Bruxelas acusa as empresas de formar cartel para fixar preços em prejuízo de seus clientes. Segundo as autoridades européias, o cartel funcionou de 1988 a 2004. As empresas envolvidas teriam combinado preços de interruptores de isolamento de gás, usados para controlar o fluxo de energia em subestações elétricas.

A multa total aplicada à Siemens resulta do somatório dos valores impostos à Siemens alemã (396,6 milhões de euros) e à filial austríaca (22 milhões de euros). As investigações da Comissão Européia se iniciaram em maio de 2004.

Este é o terceiro escândalo no qual a Siemens está envolvida em menos de um ano, depois das denúncias de corrupção e da polêmica venda de sua unidade de celulares à taiuanesa BenQ.

Leia mais