1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Comissários da Lufthansa ameaçam fazer novas greves

Pessoal de cabine encerra paralisação que, em sete dias, provocou cancelamento de 4.700 voos e afetou mais de meio milhão de passageiros. Sindicato diz que, se não houver mudanças, trabalho voltará a ser interrompido.

O sindicato dos comissários de bordo Ufo ameaçou nesta sexta-feira (13/11) promover novas paralisações na Lufthansa, durante em protesto realizado diante da sede da empresa, no aeroporto de Frankfurt. O ato foi convocado para encerrar os sete dias de uma greve que provocou o cancelamento de 4.700 voos, afetando mais de meio milhão de passageiros.

"Esta greve vai acabar nesta noite, mas se nada mudar, novas greves podem ocorrer a qualquer hora", ameaçou Nicoley Baublies, presidente do sindicato, sem citar uma data concreta.

A chefe do departamento pessoal da Lufthansa, Bettina Volkens, apelou para que os funcionários procurem soluções comuns. "Queremos encontrar soluções e vamos encontrá-las. Queremos uma Lufthansa forte", afirmou, diante das cerca de mil pessoas que compareceram ao ato, segundo números da polícia.

As relações entre os dois lados vem se acirrando. A disputa entre o sindicato do pessoal de cabine e a Lufthansa já se arrasta há quase dois anos. Os motivos principais do impasse são as regras de pensão complementar e de transição para a aposentadoria dos 19 mil comissários de bordo.

Um dos maiores pontos de discórdia é que a companhia quer introduzir um regime de aposentadoria e pensão antecipada mais barato para os novos empregados, enquanto o sindicato quer o mesmo plano tanto para atuais como para futuros funcionários.

A Lufthansa argumenta que cortes de custos estruturais são necessários para que a empresa tenha possibilidade de competir no longo prazo com o rápido crescimento das empresas aéreas de baixo custo na Europa.

Para sexta-feira, último dia de greve dos comissários de bordo da Lufthansa, a empresa anunciou o cancelamento de mais 941 voos, afetando 110 mil passageiros, incluindo três vôos da Alemanha para o Brasil: de Frankfurt para o Rio de Janeiro, de Frankfurt para São Paulo e de Munique para São Paulo. Voos saindo do Rio e de São Paulo para a Alemanha também foram cancelados. A companhia afirmou que retoma neste sábado suas operações em caráter "quase normal".

MD/rtr/dpa/ap

Leia mais