1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Comediante vence primeiro turno na Guatemala

Desconhecido do mundo político, ator Jimmy Morales surpreende e conquista mais de 24% dos votos. Após renúncia de presidente, Guatemala realiza pleito com participação recorde de eleitores.

O diretor de cinema, ator e comediante Jimmy Morales surpreendeu ao vencer o primeiro turno das eleições presidenciais da Guatemala, segundo resultados divulgados nesta segunda-feira (07/09).

Com 96,65% dos votos contados, Morales, candidato da Frente de Convergência Nacional (FCN-Nación), garantiu 24,14% dos votos. A seguir, vieram Manuel Baldizón, da Liberdade Democrática Renovada (Lider), com 19,43%, e Sandra Torres, da Unidade Nacional da Esperança (UNE), com 19,48%.

O terceiro e o segundo colocados terão de esperar os resultados definitivos, que podem demorar até cinco dias, para saber quem disputará o segundo turno com Morales, em 25 de outubro.

O comediante, de 46 anos, que há poucos meses era praticamente um desconhecido, conseguiu capitalizar a frustração popular com os políticos tradicionais em meio a uma onda de escândalos de corrupção, que levaram à queda do presidente Otto Pérez Molina e instalaram a pior crise política do país em décadas.

"Estou emocionado com resultados", disse o candidato, assegurando que não tem compromisso com nenhum setor e que a única aliança que fez foi com o povo.

A participação dos eleitores pode ter superado os 78%, sendo possivelmente o maior índice desde o retorno do país à democracia, há 30 anos. A mais alta participação, de 69,34%, havia sido registrada em 2011, quando Pérez Molina venceu.

Escândalo e renúncias

Muitos analistas consideravam difícil a realização das eleições devido às manifestações que ocorrem desde abril contra a corrupção e, em paralelo, para pedir a suspensão do processo eleitoral.

Na semana passada, o presidente Pérez Molina, um militar da reserva, foi preso e renunciou em meio a escândalos de corrupção. A sua vice-presidente, Roxana Baldetti, já havia renunciado há quatro meses pelo mesmo motivo. Ambos estariam à frente de uma rede de corrupção aduaneira batizada de La Línea.

Desde a prisão de Baldetti, os guatemaltecos saem à rua todos os sábados para exigir o fim da corrupção e da impunidade. Muitos eleitores estavam indecisos em participar da eleição devido à não aprovação de reformas da Lei Eleitoral e de Partidos Políticos para evitar a reeleição de deputados e prefeitos.

MP/efe/lusa

Leia mais