1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Começa retirada de armas químicas da Síria

Primeira carga de materiais tóxicos deixa o país num navio dinamarquês. Operação de eliminação deve ir até meados deste ano, segundo acordo aprovado pela ONU.

default

Navio dinamarquês levou primeira carga de materiais tóxicos

Cinco meses depois dos devastadores ataques com armas químicas na Síria, começou nesta terça-feira (08/01) o transporte desse material para a destruição no exterior.

O primeiro carregamento de sustâncias altamente tóxicas foi embarcado num navio dinamarquês no porto da cidade de Latakia, divulgou a Organização para a Proibição de Armas Químicas (Opaq), em Haia, na Holanda.

Centenas de toneladas de armas químicas sírias devem ser trasladadas para a Itália, onde serão embarcadas no navio americano MV Cape Ray e neutralizadas em alto mar.

A embarcação dinamarquesa abandonou águas sírias acompanhada de barcos dinamarqueses, noruegueses, chineses e russos.

Adiamento

As armas químicas deveriam ter sido retiradas da Síria em 31 de dezembro, mas os constantes combates e problemas logísticos forçaram o adiamento da operação internacional. "A embarcação permanecerá em águas internacionais até que outro carregamento esteja pronto em Latakia", adiantou o porta-voz da Opaq, Michael Luhan.

Cerca de 500 toneladas com as sustâncias mais tóxicas serão trasladadas em caminhões até a cidade portuária e depois embarcadas em etapas no navio dinamarquês.

O barco permanecerá em águas internacionais por motivos de segurança, segundo o porta-voz, até a chegada de mais carregamento, vigiado por embarcações das marinhas de Dinamarca, Noruega, Rússia e China. Ele não deu detalhes sobre o primeiro transporte nem sobre o tipo a quantidade de armas químicas trasladadas.

Substâncias mais tóxicas têm prioridade

Segundo o plano de destruição de armas químicas aprovado em setembro pelo Conselho de Segurança da ONU, serão eliminadas, em princípio, cerca de 500 toneladas das sustâncias mais nocivas, como o gases sarin e mostarda. Até meados deste ano, todas as armas devem ser destruídas.

No total, estima-se que o regime sírio disponha de cerca de 1.500 toneladas de gás venenoso e de sustâncias para a fabricação de armas químicas.

Após pressão internacional, a Síria aceitou destruir seu arsenal químico. O acordo foi acertado entre os governos em Moscou, Washington e Damasco quando os EUA ameaçaram intervir militarmente no país, após centenas de pessoas morrerem num ataque químico nos arredores de Damasco.

A Opac, que ganhou o Prêmio Nobel da Paz de 2013, é responsável pelo controle da operação de destruição.

MD/afp/dpa

Leia mais