1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Começa em São Paulo turnê da orquestra DSO pela América do Sul

Em São Paulo, Rosário e Buenos Aires, conjunto sinfônico de Berlim faz seis concertos regidos por Vladimir Ashkenazy. Apresentação ao ar livre com Orquestra Jovem de São Paulo é ponto alto.

Deutsches Symphonie-Orchester Berlin. Bild: Thomas Meyer | Ostkreuz

Deutsches Symphonie-Orchester

Neste sábado (12/05), a Deutsches Symphonie-Orchester Berlin (DSO) inicia seu giro pela América do Sul, sob a regência do maestro Vladimir Ashkenazy. Iniciando-se em São Paulo, a viagem segue para Buenos Aires e Rosário, num total de seis concertos.

A programação na metrópole brasileira inicia-se com um concerto didático na tarde deste sábado (12/05), no Auditório Ibirapuera, trazendo a suíte opus 71ª do balé O quebra-nozes, de Piotr Tchaikovsky.

Explorando uma característica do espaço de espetáculos projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer, a apresentação do dia seguinte se realizará no mesmo palco, que no entanto estará aberto para a plateia do Parque do Ibirapuera. Além da suíte de Tchaikovsky, a orquestra executa a abertura da ópera Píncipe Igor, de Alexandr Borodin; a Marcha Rakoczy, de Hector Berlioz; e os poemas sinfônicos Don Juan, de Richard Strauss e Finlândia, de Jean Sibelius.

O programa do evento ao ar livre, que a própria orquestra classifica como "ponto alto" da turnê, será dividido com a Orquestra Jovem do Estado de São Paulo, e os conjuntos sinfônicos tocarão juntos uma série de peças-surpresa de compositores brasileiros e argentinos. Antes do encontro pessoal para os ensaios em São Paulo, as duas orquestras já haviam travado contato através da internet, em workshops usando o Skype.

Os concertos seguintes, no Teatro Municipal de São Paulo, apresentam um perfil mais convencional, mas também programas de maior peso sinfônico. Na segunda-feira (14/05), a DSO executa a Sinfonia nº 6, "Pastoral", de Ludwig van Beethoven, e a Sinfonia nº 10, do compositor moderno russo Dimitri Shostakovitch. Em 15 maio, o Don Juan de Strauss será apresentado ao lado da Sinfonia nº 5, de Gustav Mahler.

Maestro Vladimir Ashkenazy

Vladimir Ashkenazy (2º da esq. para a dir.) e diretor geral da DSO, Alexander Steinbeis (dir.), na sala de ensaios da emissora RBB, em Berlim

A DSO retorna ao Brasil depois de 14 anos. Na época, Ashkenazy era seu maestro titular, porém teve que ser substituído durante a turnê por motivos de saúde. Segundo suas próprias palavras, o regente e pianista russo já esteve "muitas, muitas e muitas vezes" no país, e retorna sempre com prazer ao público que classifica como "caloroso" e "fantástico".

Seguindo para a Argentina, a orquestra alemã repete a programação dos concertos de São Paulo; em 17 de maio no Teatro El Circulo de Rosario (Beethoven-Shostakovitch) e no dia seguinte no tradicional Teatro Colón de Buenos Aires (Strauss-Mahler).

Autor: Augusto Valente
Revisão: Soraia Vilela

Leia mais