Comboio militar líbio atravessa a fronteira com o Níger | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 06.09.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Comboio militar líbio atravessa a fronteira com o Níger

Veículos militares líbios fariam parte de um plano de fuga do ditador Muammar Kadafi, que pode estar procurando asilo em Burkina Fasso.

default

Cartaz de Kadafi em Trípoli: paradeiro do ditador segue desconhecido

Um grande comboio de veículos militares líbios atravessou a fronteira da Líbia com o Níger, afirmaram nesta terça-feira (06/09) militares franceses e nigerinos ouvidos pelas agências de notícias Reuters e AFP.

Segundo uma fonte militar francesa ouvida pela Reuters, o ditador Muammar Kadafi e um dos filhos dele, Saif al Islam, poderiam se unir ao comboio no Níger. Saif al-Islam era o mais forte candidato à sucessão do pai, antes da queda do regime.

A fuga faria parte de uma tentativa de Kadafi de buscar asilo num país africano. A Reuters afirma que o comboio é composto por 200 a 250 veículos e estaria sendo escoltado pelas Forças Armadas do Níger, uma antiga colônia francesa ao sul da Líbia.

Kadafi seguiria rumo a Burkina Fasso, país africano que já ofereceu asilo ao ditador e que é há 24 anos governado pelo presidente Blaise Compaore, que, assim como Kadafi, chegou ao poder por meio de um golpe militar. Burkina Fasso também é uma antiga colônia francesa e foi durante muito tempo beneficiado pelas ajudas financeiras de Kadafi.

Paradeiro continua incerto

Jornalistas nigerinos disseram ter visto o comboio passar pela cidade de Agadez, no norte do Níger, rumo à capital, Niamey. Um membro do governo nigerino afirmou à AFP que vários nomes do primeiro escalão do regime de Kadafi chegaram ao país já no domingo. Entre eles estaria o chefe da segurança interna de Kadafi, Mansour Dhao.

O paradeiro do ex-líder líbio segue incerto. Apesar dos rumores de que ele estaria no comboio, o porta-voz do ditador, Moussa Ibrahim, insiste que o ditador e seus filhos estão na Líbia, dispostos a continuar a luta.

Fontes ouvidas pela Reuters disseram que a França pode ter intermediado um acordo para a fuga de Kadafi, já que um comboio tão grande dificilmente conseguiria circular em segurança sem o conhecimento e a concordância da Otan, que realiza voos de reconhecimento no deserto líbio. A França não confirmou tais suposições.

Kadafi e Said al Islam são procurados pelo Tribunal Penal Internacional, que os acusa de cometer crimes contra a humanidade.

AS/rtr/afp/ap
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais