1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Copa do Mundo

Com "time de resultado", Brasil goleia e agora enfrenta Gana

Sem formação badalada, verdadeiro futebol brasileiro estréia na Copa, faz 4 a 1 no Japão e garante primeira posição do grupo F. Ronaldo faz dois, supera Pelé e se iguala a Gerd Müller.

default

Ronaldo, mais próximo de recorde

O futebol brasileiro estreou na Copa do Mundo nesta quinta-feira (22/6), em Dortmund, apesar de uma equipe recheada de estrelas ter vencido as duas primeiras partidas do torneio, e goleou o Japão por 4 a 1, garantindo a primeira posição do grupo F. Foi a décima vitória consecutiva do Brasil em Mundiais.

Sem Roberto Carlos, Cafu, Emerson, Zé Roberto e Adriano, poupados para as oitavas-de-final, o "time de resultado" do Brasil jogou bonito, impôs um ritmo veloz à partida, mostrou desenvoltura, dinâmica e criou jogadas com facilidade.

O adversário na segunda fase do Mundial será Gana, que venceu os Estados Unidos por 2 a 1 e ficou com a segunda colocação do grupo E. A partida acontece na terça-feira (27/6), também em Dortmund. A Austrália empatou por dois gols com a Croácia e agora pega a Itália no mata-mata.

Recorde próximo

Com dois gols no jogo, Ronaldo "desencantou" após duas atuações abaixo de sua média, superou Pelé, que somava 12 tentos em Copas, e se igualou ao recordista Gerd Müller, o alemão que marcou 14 vezes jogando nos torneios de 1970 e 1974. O camisa 9 brasileiro marcou também em 2002 e 1998. Em 1994 ele não entrou em campo.

A participação de Ronaldo foi efetiva nesta quinta-feira. Nas poucas chances que teve, ele marcou. Primeiro aos 46 minutos do tempo inicial ao emendar de cabeça passe alto de Cicinho. Depois, aos 36 minutos do segundo, quando recebeu passe fora da área, girou o corpo e chutou no canto do goleiro Kawaguchi.

Tamada abriu o placar aos 33 minutos de partida ao aproveitar erro de marcação de Cicinho e Lúcio. Ele chutou forte, alto, e Dida não teve chances de defender. Juninho, com um chute forte de fora da área, já na etapa complementar, fez um golaço. Gilberto fez o outro.

"Time de resultado"

Juninho, que substituía Zé Roberto, e Gilberto, que estava na vaga de Roberto Carlos, deixaram suas marcas nas redes japonesas. Mas não foi só por isso que o time que goleou o rival mostoru superioridade em relação àquele recheado de estrelas que sofreu para fazer 1 a 0 na Croácia e 2 a 0 nos australianos.

Cicinho, na vaga de Cafu, Robinho, no lugar de Adriano, e Gilberto Silva na posição de Emerson, estiveram impecáveis. O primeiro errou no gol japonês, mas se redimiu com grandes jogadas ofensivas. O volante fez a função de um terceiro zagueiro, cobrindo os dois lados da retaguarda brasileira e foi eficiente durante 90 minutos, dando velocidade às saídas de bola.

E Robinho, uma das promessas deste Mundial, foi o responsável pela dinâmica do jogo, já que Ronaldinho Gaúcho estava novamente muito bem marcado. Foi por causa do jovem do Real Madrid, e também de Kaká, que o Brasil abriu espaços pelas pontas, pelo meio, e atuou no ataque e com chances de marcar por toda a partida.

E o resultado não foi apenas o plarcar elástico. Mas uma atuação convicente que agregou ao 4 a 1 jogadas plásticas, eficicência defensiva e ofensiva, disposição tática e, o principal, uma dúvida enorme na cabeça de Carlos Alberto Parreira.

JAPÃO 1 x 4 BRASIL

Japão
Kawaguchi; Kaji, Nakazawa, Tsuboi e Alex; Ogasawara (Koji Nakata), H. Nakata, Inamoto e Nakamura; Maki (Takahara / Oguro) e Tamada
Técnico: Zico

Brasil
Dida (Rogério Ceni); Cicinho, Lúcio, Juan e Gilberto; Gilberto Silva, Juninho, Kaká (Zé Roberto) e Ronaldinho (Ricardinho); Robinho e Ronaldo
Técnico: Carlos Alberto Parreira Data: 22/6/2006 (Quinta-feira)
Local: Westfalenstadion, em Dortmund
Árbitro: Eric Poulat (França)
Auxiliares: Lionel Dagorne e Vincent Texier (ambos da França)
Cartões amarelos: Kaji (J); Gilberto (B)
Gols: Tamada (J), aos 33min, Ronaldo (B), aos 46min do primeiro tempo; Juninho (B), aos 8min, Gilberto (B), aos 13min, Ronaldo (B), aos 36min do segundo tempo

Leia mais