1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Com racha no PMDB, Planalto perde comissão do impeachment

Chapa formada por ala rebelde do partido e pela oposição vence votação para escolha de comissão que vai analisar pedido de afastamento de Dilma. Resultado é duro golpe para o governo.

Após a deflagração do rito do impeachment da presidente Dilma Rousseff na semana passada, o Palácio do Planalto partiu para a ofensiva com o objetivo de assegurar uma maioria confortável na comissão responsável pela avaliação do pedido, que foi escolhida nesta terça-feira (08/11).

Parte da estratégia passava pela indicação de deputados do PMDB simpáticos à presidente e a eleição de uma chapa com maioria governista e neutra, mas o plano acabou esbarrando em mais um racha entre os membros do partido – que oficialmente continua sendo aliado do governo.

No final, a ala do PMDB favorável à saída da presidente – que havia liderado a criação de uma chapa concorrente para formar a comissão – acabou prevalecendo. O governo acabou perdendo a votação por 272 votos a 199. Em vez da maioria favorável que estava sendo costurada na comissão de 65 membros, o Planalto agora vai ter que enfrentar pelo menos 39 deputados manifestamente simpáticos ao impeachment de Dilma – entre eles oito membros do PMDB.

Antes de perder a votação, o Planalto levava em conta que a escolha dos nomes do partido aliado era uma prerrogativa do deputado Leonardo Picciani, uma figura favorável ao governo que já havia arrancado de Dilma a indicação de aliados para os ministérios da Saúde e da Ciência e Tecnologia na última reforma ministerial. Com as indicações de Picciani mais a eleição da chapa de maioria governista, o governo esperava que os membros da comissão publicamente favoráveis ao impeachment não passassem de 15.

Só que a parte do PMDB que é crítica ao governo se uniu à oposição e acabou lançando uma chapa avulsa para integrar a comissão, com oito nomes diferentes da lista de Picciani, entre eles deputados abertamente a favor do impeachment, além de outras figuras hostis de outros partidos. Nesta terça-feira, após uma sessão marcada por empurra-empurra e troca de ofensas entre os deputados, a chapa oposicionista com 39 membros acabou sendo eleita.

A chapa de oposição havia sido lançada após um grupo de deputados que se opõem a Picciani, entre eles Eduardo Cunha (presidente da Câmara) e Lúcio Vieira Lima (irmão do ex-ministro Geddel Vieira Lima), ter iniciado uma movimentação no último fim semana para tentar derrubar o líder do PMDB na Câmara.

Picciani, em quem Dilma passou a apostar desde o início da crise com Cunha, nunca foi unanimidade no partido, tendo ganhado a eleição para líder em fevereiro por apenas um voto. A estratégia de derrubada não deu certo até o momento, mas acabou por oficializar a chapa concorrente. "A comissão que estava sendo formada pela maioria dos líderes era uma comissão chapa-branca. Era apenas formar uma comissão para obstruir os trabalhos e dar um resultado favorável, como o Planalto quer", disse Lúcio Lima.

Cunha liderou todo o processo de votação nesta terça-feira. O deputado ordenou que a votação fosse secreta, para temor do PT, que temia que esse sistema favorecesse mais deserções na base aliada. O presidente da Câmara também determinou que todo o processo ocorresse rapidamente, ignorando questionamentos dos petistas, que passaram então a tentar obstruir sem sucesso o acesso às cabines de votação.

Como a chapa eleita tem apenas 39 membros, uma votação suplementar ainda deve ser organizada para escolher os 26 membros restantes. A disputa ainda pode ser judicializada, já que o PT ingressou com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar impugnar a chapa concorrente.

Divisão no PMDB

A situação no PMDB já havia começado a ficar mais instável na semana passada, quando o ministro da Aviação Civil, Eliseu Padilha, pediu demissão do cargo, sinalizando que mais uma ala do partido havia começado a abandonar o governo. Ao falar sobre sua saída, Padilha disse que "o PMDB é um partido que está literalmente dividido sobre a questão [do impeachment]".

Parte da base aliada do governo no Congresso tem se mostrado rebelde desde o início do ano, com o movimento contra o governo sendo capitaneado pelo peemedebista Eduardo Cunha, presidente da Câmara.

A novidade nos últimos dias é que pemedebistas que haviam permanecido em silêncio ou que antes haviam cerrado fileiras com a presidente agora começam a tomar a posição contra Dilma. Após a saída de Padilha, na noite de segunda-feira foi a vez de o vice-presidente Michel Temer enviar uma carta à presidente na onde explicitou seu descontentamento com relação a sua posição no governo. Há poucos meses, tanto Padilha quanto Temer eram vistos como alguns dos membros mais fortes da tropa de choque capaz de esfriar a crise e acalmar as alas rebeldes da base aliada.

Peemedebistas que encampam o "Fora Dilma" calculam que pelo menos 30 dos 66 deputados da legenda são favoráveis ao impeachment. Já os peemedebistas governistas afirmam que os dissidentes não passam de 20. Sozinho, o PMDB não tem força para empurrar o impeachment – o partido só controla 15% das cadeiras da Câmara.

No entanto, para o cientista político Carlos Pereira, da Fundação Getulio Vargas (FGV), uma ruptura majoritária do PMDB com o governo pode servir de incentivo para partidos menores – vários deles com poder de indicar titulares para a comissão – apoiarem de vez o impeachment. O lançamento da chapa avulsa também já explicitou o racha em siglas menores da base aliada, como o PP, o PSD e o PTB, que também indicaram membros para a lista concorrente.

"Não resta dúvida que eles seriam atraídos. Por causa da sua dimensão, o PMDB tem essa capacidade de sinalizar outro caminho. Os partidos menores podem achar que é melhor ficar do lado dos peemedebistas para a formação de um novo governo, e assim obter mais benefícios", afirma.

Ainda que a posição de Temer sinalize uma ruptura com o governo e que a chapa dissidente do PMDB tenha ganhado a disputa pela comissão, o Planalto ainda conta por enquanto com o apoio incondicional de alguns núcleos da sigla, entre eles o fluminense, que tem entre seus membros o governador Luiz Fernando Pezão, o prefeito Eduardo Paes, além de Picciani e seu pai, Jorge, o presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

Para Carlos Pereira, o mais novo racha no PMDB explicitou a guerra entre as duas forças antagônicas do partido, a que busca um papel coadjuvante na formação de um governo – em que os benefícios são menores, mas sem o desgaste de comandar a Presidência – e a que deseja que o PMDB use o seu tamanho para liderar o país – com maiores benefícios, mas também com mais riscos.

"Parte do PMDB, formada por figuras como os senadores Renan Calheiros e Jader Barbalho e o governador Pezão, tem receio dessa estratégia que prevê o PMDB assumir um maior protagonismo. Esse sempre foi um dilema entre as forças do partido. No momento, outras alas, formadas por membros de São Paulo e da Bahia, que agora estão se destacando, querem o contrário. Esse racha é mais um sinal de que essas forças estão brigando", afirma.

Leia mais