1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Com interesses regionais, Brasil opta pela cautela na crise venezuelana

Para analistas, silêncio de Dilma sobre repressão aos protestos, que causaram 22 mortes e levaram à prisão de líder opositor, reflete interesses comerciais brasileiros e falta de firmeza da atual política externa.

default

Maduro visitou Dilma em Brasília após tomar posse como presidente eleito

Passado um mês, a Venezuela ainda vive momentos de tensão com protestos de estudantes e opositores contra o presidente Nicolás Maduro. As manifestações, que levaram milhares às ruas, atingiram seu ápice em meados de fevereiro e tiveram até agora 22 mortes e centenas de detidos – inclusive um dos líderes da oposição, Leopoldo López.

Mas, mesmo com o acirramento do conflito, o governo brasileiro adota uma postura de cautela e evita criticar, ao menos publicamente, o presidente venezuelano. O Brasil assinou notas conjuntas com o Mercosul e a Unasul, mas se esquivou até agora de qualquer intervenção direta na crise, como fizera em 2012, por exemplo, na queda de Fernando Lugo no Paraguai.

"É decepcionante que o Brasil não tenha se manifestado de forma clara a respeito dos diversos abusos que vêm sendo cometidos no país vizinho, tais como censura dos meios de comunicação, detenção arbitrária e investigações iniciadas contra adversários políticos, sem evidências sérias de que tenham cometido crime, e força brutal contra os manifestantes", diz Maria Laura Canineu, diretora da ONG Human Rights Watch (HRW) no Brasil.

Ela afirma ainda que a proteção dos direitos fundamentais do cidadão, incluindo a liberdade de expressão e reunião, deveria se refletir na política externa brasileira. "A prevalência dos direitos humanos é princípio da política externa brasileira e deveria orientar a posição do país também no caso da Venezuela."

"Venezuela não é Ucrânia"

A postura do Planalto ficou clara durante última visita de Dilma Rousseff à Europa, em 24 de fevereiro. No auge da crise em Caracas, a presidente destacou os avanços sociais na Venezuela, disse que o país de Maduro não é a Ucrânia e descartou qualquer intervenção brasileira na crise: "Não nos manifestamos sobre a situação interna dos países."

Para José Niemeyer, coordenador da graduação em relações internacionais do Ibmec/RJ, a posição brasileira é reflexo dos preceitos de Dilma para a política externa, menos pró-ativa que a de seus antecessores. Fernando Henrique Cardoso tinha uma posição mais institucional, em linha com o padrão de conduta histórico do Itamaraty, e Lula era mais engajado e ideológico no cenário internacional.

"No governo Dilma houve uma mudança. Ela está fazendo uma política externa esvaziada", avalia Niemeyer. "A presidente foca mais no ambiente interno e tem pouca assertividade na sua política externa. Por isso, o Brasil parece não se posicionar de forma ativa na questão venezuelana."

Durante a posse da presidente chilena, Michelle Bachelet, na terça-feira (11/03), Dilma anunciou a intenção de formar, com membros da Unasul, uma comissão de interlocutores entre o governo venezuelano e a oposição. Críticas à repressão aos protestos em Caracas, porém, não foram feitas.

Contra observadores da OEA

Na Organização dos Estados Americanos (OEA) – que também inclui os EUA –, o Brasil votou contra o envio de observadores a Caracas ao entender que a decisão poderia acirrar as tensões. O governo brasileiro não quer se intrometer e evitou, até aqui, pedir publicamente que Maduro abra um canal de discussão com a oposição – como a própria Dilma fez durante os protestos de junho passado, quando buscou o diálogo com os líderes das manifestações.

"O Brasil está jogando dentro dos limites que lhe são possíveis, tentando manter os interesses dos grandes empresários brasileiros na Venezuela", diz o pesquisador Thiago Gehre Galvão, da UnB. "O país não quer gerar descontentamento no Hemisfério Sul. Por isso a postura de não ser tão proativo e de se posicionar claramente em outros fóruns [como na OEA]."

Venezuela Proteste gegen die Regierung 09.03.2014

Crise política na Venezuela deixou um saldo, até agora, de 22 mortos e centenas de presos

O interesse do Brasil – e do Mercosul – pela Venezuela têm também aspectos estratégicos e econômicos. Além dos 30 milhões de consumidores venezuelanos, o país presidido por Maduro possui a maior reserva de petróleo do mundo. A estatal petrolífera PDVSA possui dezenas de acordos em matéria energética com países da América do Sul, principalmente com Argentina e Uruguai.

O comércio entre Brasil e Venezuela se multiplicou por sete de 2003 a 2012, chegando ao recorde histórico, no ano de 2012, de 6,05 bilhões de dólares. Neste processo de aumento das trocas entre os dois países, as exportações brasileiras de manufaturados cresceram 30% em 2012, alcançando 65% da pauta exportadora.

Para Gehre Galvão, o Brasil está envolvido numa situação complexa: ao mesmo tempo em que tem que respaldar vizinhos estratégicos, como Venezuela, tem que se preocupar com a influência externa de outros atores e instituições, como os EUA e a OEA, que aparecem durante a crise como opção de solução.

"O Brasil tem um princípio muito claro: o da não ingerência. Existe uma preocupação, mas o país não está indiferente", opina o especialista. "Não é de agora que o Brasil age assim."

Leia mais