1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Futebol

Com Guardiola sob pressão, Bayern tenta "missão impossível"

Time bávaro precisa vencer Barcelona por quatro gols de diferença para ir à decisão da Liga dos Campeões. Questionado, técnico terá que fazer ataque produzir, mas sem ceder espaço para Messi, Neymar e Suárez atrás.

O Bayern de Munique chega para o duelo decisivo desta terça-feira (11/05), pela semifinal da Liga dos Campeões, com a missão, tida por muitos como impossível, de vencer o Barcelona por quatro gols de diferença. E isso com o antes aclamado técnico Pep Guardiola sob pressão.

Desde a derrota por 3 a 0 no jogo de ida, em Barcelona, o técnico vem sendo questionado por torcedores, imprensa e por pelo menos dois grandes nomes do Bayern: o presidente honorário e maior ídolo do clube, Franz Beckenbauer, e o ex-goleiro Oliver Kahn.

O principal ponto, para ambos, está nas escolhas de Guardiola: substituir Thomas Müller por Mario Götze no Camp Nou, por exemplo, foi uma delas, classificada por Beckenbauer como "incompreensível." Outra foi a estratégia adotada na defesa.

"Também me surpreendeu que ele tenha usado o sistema com três zagueiros", disse Beckenbauer. "É extremamente perigoso."

A tentativa de impor uma marcação individual sobre o trio Neymar-Suárez-Messi, definitivamente, não funcionou. Ficou, aliás, muito aquém do esperado. Guardiola colocou Rafinha na esquerda, em cima de Suárez, com Boateng centralizado para cuidar de Messi, e Benatia na direita para tentar conter os ágeis avanços de Neymar.

"Em linhas gerais, não surtiu qualquer efeito. É ousado apostar na marcação homem a homem lá atrás. Guardiola talvez não contasse com tantos passes longos do Barcelona", criticou Kahn, hoje comentaria na TV alemã.

Resultado: se não fosse Manuel Neuer, o primeiro tempo já poderia ter terminado com boa vantagem catalã. Foram pelo menos três oportunidades claras de gol.

UEFA Champions League Lionel Messi 06.05.2015

Páreo duro: além de Messi, Bayern precisa parar ataque que tem também Neymar e Suárez.

As variações táticas e de escalações sempre foram uma marca de Guardiola. Só que, desta vez, os resultados não vieram — exceção feita ao Campeonato Alemão. Tal qual contra o Porto, o Bayern precisará atacar na Allianz Arena. A diferença, básica, é que o Porto não é o Barcelona.

Diante dos portugueses, Guardiola montou um esquema para bloquear qualquer possibilidade de investida e de saída rápida do oponente no meio. Com até cinco jogadores (Xabi Alonso; Lahm, pela direita; Götze, mais à esquerda; Müller, centralizado; e Thiago Alcântara), a faixa central do campo povoada possibilitou ao Bayern atacar com força, chegando de trás para frente com muita velocidade — e a habitual precisão.

O problema: até sofrer o primeiro gol, o Porto conseguiu segurar bem a equipe alemã. Não é impossível um time como o Bayern, que deve entrar em campo com pelo menos quatro campeões mundiais pela seleção, conseguir uma virada surpreendente e avançar, rumo à decisão de Berlim, no dia 6 de junho.

"Se não passarmos, não vai acontecer nada. Sou o melhor por ganhar tudo? Ganhei por ter superjogadores", disse Guardiola, na véspera da partida.

O porém é que, do outro lado, há um Barcelona muito compacto e certeiro nos três setores, com um contra-ataque mortal. Se com poucos espaços esse atual Barça já consegue entrar a toques e dribles nas áreas adversárias, com alguns metros sobrando poderá, talvez, até vingar-se do placar agregado de 7 a 0 que o Bayern impôs na semifinal de 2013.

Ficha técnica:

Bayern: Neuer; Rafinha, Boateng, Benatia, Bernat; Lahm, Alonso, Thiago Alcántara; Müller, Lewandowski, Götze.

Barcelona: Stegen; Daniel Alves, Piqué, Mascherano e Jordi Alba; Rakitic, Busques e Iniesta; Neymar, Suárez e Messi.

Arbitragem: O inglês Mark Clattenburg, auxiliado pelos compatriotas Simon Beck e Jake Collin.

Local: Allianz Arena, Munique.

Leia mais