1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Comércio varejista alemão prevê queda em 2002

Presidente da Associação do Comércio Varejista diz que a Alemanha já se encontra em recessão

A Alemanha é o país mais afetado pelo enfraquecimento da conjuntura mundial, na opinião da Associação do Comércio Varejista. A situação é preocupante, admitiu Hermann Franzen, presidente da Associação, hoje em Berlim.

Franzen acredita que o PIB alemão não deve ter aumentado mais no corrente trimestre, e que o país já está entrando numa recessão.

Em 2001, o faturamento do comércio varejista deverá crescer apenas 1%, com faturamento de 379 bilhões de euros, o que representa uma queda real de 0,5%. O setor emprega 2,8 milhões de pessoas, ou seja 20.000 a menos do que há um ano. A previsão para 2002 aponta uma queda real de 1,5% do faturamento.

A única forma de aumentar o consumo e compensar a falta de investimentos, segundo Franzen, seria uma redução dos impostos. Ele estima que esta medida criaria, a curto prazo, meio milhão de novos postos de trabalhos e daria novo impulso ao consumo.

Ataques terroristas aumentaram a tendência negativa de consumo

No início de 2000, o comércio varejista ainda estava otimista e previa um aumento do consumo na Alemanha, que estava estagnado há alguns anos. O otimismo baseava-se no crescimento econômico e na reforma fiscal do governo federal, que aliviou a carga do contribuinte em 45 bilhões de marcos (R$ 56,615 bilhões).

“Hoje, 9 meses depois, pouco restou deste otimismo”, afirmou o presidente da Associação do Comércio Varejista. “O aumento do custo da energia, no primeiro semestre, corroeu o efeito positivo da reforma fiscal. O consumidor alemão mostrou-se reticente e consciente do preço a pagar”.

Os ataques terroristas nos Estados Unidos não provocaram pânico, mas reforçaram a tendência negativa do consumo. O cidadão, com medo, passou a economizar. As vendas de Natal, que desde há alguns anos estão em queda, este ano, também, não inspiram grande otimismo. Diante da fraca conjuntura, muitas empresas já anunciaram que diminuirão o décimo-terceiro.