1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Colecionador do "Tesouro de Munique" entra em acordo com Estado alemão

Cornelius Gurlitt permitiu realização de análises em obras suspeitas de serem extorquidas de judeus pelos nazistas para possível devolução aos antigos proprietários. Em troca, receberá de volta quadros que lhe pertencem.

O negociador de arte Cornelius Gurlitt, de 81 anos, que guardava em seu apartamento em Munique uma valiosa coleção de obras tidas como desaparecidas desde a Segunda Guerra, chegou a um acordo com o governo alemão. Ele vai permitir análises em todas as peças suspeitas de terem sido roubadas ou extorquidas pelos nazistas, a fim de devolvê-las aos proprietários originais.

As peças ficarão confiscadas para pesquisas durante um ano. Em contrapartida, ele recebeu a garantia de que poderá ficar com todos os trabalhos que comprovadamente lhe pertencem. "Ele se compromete e devolver voluntariamente todas as pinturas que tenham sido roubadas, afirmou nesta segunda-feira (07/04) a secretária de Cultura da Baviera, Monika Grütters, em entrevista à emissora de TV 3sat.

Em fevereiro de 2012, uma coleção de 1.280 obras − incluindo trabalhos de nomes como Picasso, Chagall e Monet − foi encontrada e confiscada pela polícia no apartamento de Gurlitt. O caso foi revelado apenas em novembro do ano passado.

Sitzende Frau von Henri Matisse aus der Gurlitt-Sammlung

"Mulher sentada", de Matisse

Cerca de 500 das peças são suspeitas de terem sido extorquidas de judeus pelos nazistas. A apreensão ocorreu no âmbito de investigações contra o colecionador, acusado de cometer fraudes fiscais.

Outras 238 obras valiosas foram encontradas também em sua casa de Salzburgo, na Áustria. Parte delas de autoria de artistas célebres, como Édouard Manet, Auguste Renoir, Claude Monet e Pablo Picasso. Entretanto, as autoridades alemãs não têm acesso às peças.

No fim do mês passado, Gurlitt havia informado da sua intenção de devolver as obras que pertenceram anteriormente a famílias judias.

O primeiro trabalho a ser devolvido aos donos originais será A mulher sentada, de Henri Matisse. A obra pertencia à coleção de arte do líder nazista Hermann Göring, tendo acabado entre as possessões da família Gurlitt, que tinha relações próximas com o Terceiro Reich.

No fim de janeiro, o colecionador já havia anunciado que poderia devolver as obras. "Ele está disposto a analisar as reclamações de obras de arte roubadas e tomar uma decisão justa sobre o assunto", informou então seu advogado, Hannes Hartung.

MD/afp/dpa

Leia mais