1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Colônia virou metrópole: da música eletrônica

Mais de 90 artistas se encontram em Colônia, em agosto, para o festival c/o pop, espécie de resgate da vaidade da cena local após a fuga da PopKomm para a capital. Ao que parece, o substituto não deixa nada a desejar.

default

O duo Mouse On Mars, uma das bandeiras do festival

A PopKomm disse adeus a Colônia e foi-se embora em direção a Berlim. Para a cidade às margens do Reno, sem dúvida, uma grande perda: o evento é, depois da Midem, na França, a segunda maior feira fonográfica do mundo. Mas Colônia não esperou nem um ano passar para dar sua resposta e voltou a chamar atenção do mundo musical com um evento menor, mas nem por isso pouco promissor: o c/o pop (leia-se: cologne on pop).

Colônia tinha queixas quanto ao formato da PopKomm: a feira seria, antes de mais nada, um evento comercial, um encontro da indústria fonográfica alemã e internacional, cujos convidados não seriam escolhidos segundo critérios artísticos, mas pelo número de vendas de seus discos. Para Sebastian Tauktus, da organização do c/o pop, a PopKomm chegava "como um Ovni que pousava sobre a cidade", ditando o que os DJs deveriam tocar nas pistas da cidade. Ao invés disso, Colônia optou pela volta ao patriotismo local e apostou na maturidade de sua própria cena.

Bildgalerie Wahl neue Weltwunder - Kölner Dom

A catedral de Colônia, símbolo da cidade

Recuperando a vaidade local – Colônia decidiu mostrar o que tem de melhor, e isso é internacionalmente sabido: música eletrônica. Na cidade, que tem um pouco mais de um milhão de habitantes, há cerca de 50 selos dedicados à música eletrônica e suas variações.

Ralph Christoph e Norbert Oberhaus, idealizadores do evento, explicam que o evento "começa por baixo e por dentro". A grande inspiração veio do festival espanhol de música eletrônica Sonar, de Barcelona, "o maior e melhor festival da Europa" para Phillip Treudt, também da equipe organizadora.

No palco, nomes conhecidos como Schlammpeitziger, o duo Mouse On Mars, Ascii Disko, os veteranos do Air Liquide e do Chicks On Speed, além de novatos como o trio berlinense Warren Suicide. O leque de DJs também é vasto, incluindo a francesa residente na Alemanha Miss Kittin e, como não poderia faltar em Colônia, Hans Nieswandt, da banda Whirpool Productions e colaborador da Spex, a revista de cultura urbana preferida da cidade. Ao todo, são mais de 90 artistas, de 6 a 22 de agosto.

O velho e bom rock não rende? – Ao menos por enquanto, o c/o pop é voltado a um gênero musical apenas. Nesse primeiro ano, o foco permanece na cena nacional. No próximo ano, quem sabe, o c/o pop poderá ampliar seu programa para incluir a cena européia. E poderá até haver um c/o rock no próximo ano.

Mieze mit Band der Berliner Band Mia Fotograf H. Flug

Mieze, cantora do grupo MIA, de Berlim, com a banda ao fundo

Por falar em rock: a base de lançamento do c/o pop foi o festival ao ar livre S.O.M.A. (Summer of Music and Arts). No final de semana anterior ao início do festival, algumas das sensações que a cena de rock alternativa catapultou às paradas subiram ao palco: entre eles, os parisienses do Phoenix e a banda Franz Ferdinand, de Glasgow. Até o grupo MIA, de Berlim – espécie de reincarnação da Neue Deutsche Welle em pleno século 21, teve a chance de dar as caras. Talvez uma forma de conciliar as duas vertentes, que tanto brigaram por espaço durante os anos 90.

Discussão não faltará – Paralelamente, haverá um fórum de debate acerca de temas próximos à indústria fonográfica e à música em geral, eletrônica ou não. Um deles será sobre a proliferação de programas de transferência de arquivos musicais via internet e as saídas da indústria para superar o problema.

Difícil despedida – A partida da PopKomm para a capital parece mesmo ter mexido com os brios da cidade, como ficou claro num artigo publicado no jornal local Kölner Stadt-Anzeiger. Segundo a publicação, a feira havia chegado mesmo ao fundo do poço e "o fato de Berlim ser a capital alemã e de o circuito musical e de mídia da nação acreditar que é preciso estar lá, a qualquer preço, não será uma solução imediata para salvar um evento decadente como a PopKomm". Amargo veredito.

Leia mais

Links externos