Colômbia adia conversações de paz com ELN | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 28.10.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Colômbia

Colômbia adia conversações de paz com ELN

Presidente Juan Manuel Santos suspende início do diálogo com o segundo maior grupo rebelde do país, previsto para esta quinta-feira. Bogotá exige que ELN liberte o ex-deputado Odín Sánchez. Guerrilha rechaça suspensão.

O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, decidiu adiar o início da chamada fase pública de conversações de paz com o Exército de Libertação Nacional (ELN), segunda maior guerrilha colombiana, previsto para acontecer nesta quinta-feira (27/10) em Quito, capital do Equador.

"Quero anunciar ao país que eu dei instruções à equipe que comanda as negociações com o ELN para que suspenda a viagem para a cidade de Quito", declarou Santos, em discurso na Casa de Nariño.

Segundo o presidente colombiano, as negociações de paz continuarão suspensas até que o grupo rebelde liberte, "são e salvo", o ex-deputado Odín Sánchez Montes de Oca.

O político se entregou ao ELN em março deste ano, em troca da libertação de seu irmão, o ex-governador Patrocinio Sánchez Montes de Oca, sequestrado pela guerrilha em 2013.

Após o discurso de Santos, o Exército de Libertação Nacional divulgou, em mensagem em rede social, que não concorda com a decisão do governo colombiano de suspender as negociações.

"Não compartilhamos com a suspensão da instalação da mesa [de diálogo]", disse o grupo rebelde no Twitter, acrescentando que tratará de "remarcar" a atividade "para os próximos dias".

Nesta quinta-feira, o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) declarou que deu início a uma operação para conquistar a libertação de Montes de Oca, com acompanhamento da Igreja Católica.

Segundo Camilo Restrepo, chefe da equipe de negociação do governo, "os compromissos assumidos pelo governo e pelo ELN em Caracas foram precisos para ambas as partes". "Sempre ficou claro que era necessária a libertação do ex-deputado Odín Sánchez para dar início à fase pública", afirmou.

Restrepo adiantou que espera que a liberdade do ex-parlamentar esteja resolvida antes do dia 3 de novembro, quando estão marcadas para começar as negociações formais entre Bogotá e o ELN.

Negociações de paz

A Colômbia vive dias tensos desde 2 de outubro, quando um referendo rejeitou o acordo de paz negociado há quatro anos com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), maior do país. Embora o cessar-fogo tenha sido prorrogado até o fim do ano e novos diálogos tenham começado, não é certo se alterações no tratado conseguirão ser negociadas até o final da trégua.

Com o ELN, Bogotá deu início aos contatos em 2014. No fim de março, o grupo e o governo colombiano já haviam anunciado em Caracas o início de uma fase pública de negociações de paz, cuja abertura foi condicionada pelo Executivo à solução de algumas "questões humanitárias", como o fim dos sequestros. A guerrilha tem em seu poder um número desconhecido de pessoas.

O Exército de Libertação Nacional, inspirado na Revolução Cubana, teve origem em uma insurreição camponesa de 1964, semelhante às Farc, e ainda mobiliza cerca de 2 mil combatentes. O grupo guerrilheiro é considerado uma organização terrorista pela Europa e Estados Unidos.

EK/efe/dpa/afp/lusa

Leia mais