1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Coalizão SPD-PDS é aprovada com dissidências e toma posse

Doze anos após a queda do Muro de Berlim, social-democratas e remanescentes do governo da ex-Alemanha Oriental dividem o poder. Oposição exige que ligação entre neocomunistas e a polícia política Stasi venham à tona.

default

Wowereit (esq.) cumprimenta seu novo secretário da Economia, o neocomunista Gysi

O novo gabinete do prefeito Klaus Wowereit (SPD), formado por social-democratas e neocomunistas, foi aprovado e tomou posse, nesta quinta-feira (17) na Assembléia Legislativa de Berlim. A sessão foi marcada por críticas dos adversários políticos e dissidências dentro do próprio Partido Social Democrático (SPD). Nas ruas, também houve protestos.

Nem mesmo o prefeito teve sua reeleição respaldada completamente pelas bancadas social-democrata e socialista. Dois deputados governistas votaram com a oposição. Wowereit recebeu 74 votos a favor e 66 contra. Seus secretários igualmente não receberam apoio total dos parlamentares governistas.

O caldo engrossou à noite, quando a indicação de Peter Striedel (SPD) para a Secretaria de Desenvolvimento Urbano obteve apenas 68 votos favoráveis. Dois a menos que o necessário. E dois deputados haviam se abstido na votação secreta.

O prefeito pediu a suspensão dos trabalhos e reuniu-se a portas fechadas com a bancada social-democrata. Uma hora depois, a sessão foi retomada e o nome de Striedel foi aprovado. Com três horas de atraso, a Assembléia Legislativa concluiu a votação e deu posse aos oito secretários - cinco do SPD e três do Partido do Socialismo Democrático (PDS).

Americanos pasmos - As maiores críticas da oposição democrata-cristã, liberal e verde e das vítimas do regime comunista recaem sobre a nomeação de Gregor Gysi (PDS) para a pasta da Economia. O advogado pertenceu ao SED (Partido Socialista Unitário da Alemanha), o único permitido na extinta Alemanha Oriental. O líder da bancada do Partido Liberal na Assembléia Legislativa de Berlim, Günther Rexrodt, afirmou que "os americanos estão pasmos com o que acontece na capital alemã". Segundo ele, a divisão do governo com os pós-comunistas e a nomeação de Gysi como secretário da Economia vão ter "efeitos assustadores".

Rexrodt salientou que os neocomunistas do PDS são "sucessores imediatos" do SED, partido que foi responsável na antiga Alemanha Oriental por crimes contra os direitos humanos e pela morte de um grande número de dissidentes políticos.

Após sua confirmação para o cargo, o prefeito Wowereit defendeu a coalizão. "Nós chegamos ao ano 2002, ao ano 12 da reunificação, ou seja, hora de Leste e Oeste crescerem juntos. Nós vemos isto como chance."

Saúde e Cultura - Além do posto de Gysi, os neocomunistas assumem em Berlim a Secretaria de Saúde, Assistência Social e Defesa do Consumidor (nas mãos da deputada Heidi Knake-Werner) e a pasta da Ciência e Cultura, que fica com Thomas Flierl.

A coalizão SPD-PDS sucede o governo de transição formado por social-democratas e verdes, criado após a destituição em junho do ano passado do ex-prefeito Eberhard Diepgen, da União Democrata Cristã (CDU), em função dos escândalos financeiros que afetaram a administração da cidade.

Depois das eleições em outubro, que garantiram a vitória dos social-democratas, o prefeito Wowereit coordenou uma série de negociações com verdes e liberais, com o objetivo de estabelecer na capital alemã uma "cooperação a três". Após o fracasso das tentativas, o SPD selou com os neocomunistas do PDS a nova coalizão.

Manifestação popular - A Confederação dos Jovens Empresários organizou uma manifestação contra os neocomunistas em frente à prefeitura da cidade, que ironicamente funciona na histórica Rotes Rathaus (Prefeitura Vermelha), na praça Alexanderplatz, antigo centro do poder da Alemanha Oriental.

A associação de vítimas do comunismo Help conduziu uma cerimônia de "lembrança às vítimas do Muro de Berlim durante a ditadura do SED". Policiais a cavalo bloquearam por todo o dia o acesso à região onde se reuniram os deputados.

Stasi – A Assembléia Legislativa de Berlim pretende nomear um Conselho de Honra, responsável por investigar se deputados e membros do novo governo mantiveram alguma ligação com o serviço secreto da antiga Alemanha Oriental, o Stasi.

Desde março de 1993, departamentos públicos de Berlim pesquisam eventuais ligações do Stasi com deputados e funcionários públicos da cidade, como políticos, juízes, advogados e professores universitários. Os resultados dessa averiguação, no entanto, são mantidos em segredo e arquivados. Democrata-cristãos e verdes, que formam a atual oposição ao governo berlinense, exigem a divulgação dessas pesquisas pelo menos no que diz respeito a deputados e membros do novo governo.

Links externos