1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Coalizão alemã ameaçada por causa do Afeganistão

Chanceler federal alemão condiciona prosseguimento da coalizão social-democrata e verde a apoio interno para aprovar envio de soldados à luta antiterror.

default

Chanceler federal, Gerhard Schröder, e a líder verde Kerstin Müller

A guerra no Afeganistão gerou a pior crise na coalizão de governo da Alemanha desde sua formação em 1998. O chanceler federal, Gerhard Schröder, decidiu atrelar a sorte do gabinete social-democrata e verde à planejada ação das Forças Armadas na luta antiterror liderada pelos Estados Unidos. O chefe de governo anunciou que apresentará uma moção de confiança ao Parlamento, na sessão de sexta-feira, em que será votada a proposta de envio de 3.900 soldados, navios, tanques e aviões para apoiar os Estados Unidos no combate ao terrorismo.

A decisão de Schröder se deve à ameaçada falta de votos dos dois partidos governistas para aprovar a ação militar. Dos 47 deputados verdes, oito anunciaram que votarão contra e, com a nova condição estabelecida por Schröder, a coalizão depende agora dos pacifistas do Partido Verde.

O voto de confiança é o meio de pressão mais forte de um chefe de governo e será solicitado pela quarta vez na história da Alemanha do pós-guerra. Apostando tudo numa só cartada, Schröder poderá sair da crise como um grande vitorioso ou ter de procurar um novo parceiro de coalizão para o Partido Social Democrático (SPD), do qual é presidente. Em caso extremo de uma votação desfavorável, o chefe de governo terá de abrir caminho para eleições antecipadas, provavelmente para ainda este ano. As próximas eleições para o Parlamento e o governo estão previstas para dentro de um ano.

Recuo da oposição - Os partidos de oposição conservadora democrata-cristã (CDU) e social-cristã (CSU) tinham prometido aprovar o envio de soldados juntamente com o Partido Liberal, mas voltaram atrás e anunciaram que votarão contra. "Se o chanceler federal quer unir as duas questões (ação militar e existência da coalizão), não há mais condição para aprovar a missão das Forças Armadas", disse o líder da bancada conjunta da CDU e CSU, Friedrich Merz.

Marchas e contramarchas - Schröder insinuou, na semana passada, que se contentaria com a aprovação do envio dos soldados sem maioria da coalizão e com ajuda da oposição. Ele disse que a proposta é do Parlamento e não do seu gabinete. Ontem, o chefe de governo ameaçou, todavia, com um rompimento da coalizão. Hoje, ele condicionou o prosseguimento da coligação a um apoio interno para o seu plano militar. Antes disso, Schröder reuniu-se com as bancadas do SPD e verdes, separadamente, e conversou com políticos experientes como o ex-chaneceler federal Helmut Schmidt e o ex-presidente do SPD Hans Jochen Vogel. Por causa da crise, o ministro do Exterior, Joschka Fischer, deixou a Assembléia-Geral da ONU, em Nova York, e retornou a Berlim.

O líder do SPD, Peter Struck, afastou a hipótese de 20 deputados do SPD votarem contra a missão militar e a moção de confiança à coalizão. A líder do Partido Verde, Kerstin Müller, disse que Schröder goza da confiança de toda a sua bancada e que espera que o avanço da oposição armada no Afeganistão e mais esclarecimentos do gabinete sobre a ação militar possibilitem uma mudança de posição dos deputados que ameaçam votar contra os planos do chefe de governo.