1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Co-presidente do Deutsche Bank vai a julgamento

Jürgen Fitschen e quatro ex-diretores são acusados de falso testemunho num processo anterior, movido pela família do empresário Leo Kirch. Banco não comenta acusações.

O co-presidente do Deutsche Bank Jürgen Fitschen e quatro ex-diretores da instituição irão ao banco dos réus, acusados de falso testemunho num processo anterior, anunciou nesta segunda-feira (02/03) um tribunal de Munique. O julgamento terá início em 28 de abril.

Fitschen, Rolf Breuer, Josef Ackermann, Clemens Börsig e Tessen von Heydebreck são acusados de conspirar para tentar enganar a Justiça num processo que opôs o banco ao ex-magnata da mídia Leo Kirch e sua família, afirmou o tribunal em comunicado.

O Ministério Público de Munique acusa os executivos do Deutsche Bank de terem dado informações falsas para impedir ou ao menos minimizar o pagamento de indenizações aos herdeiros de Kirch. Breuer e Ackermann são os antecessores de Fitschen e Anshu Jain no comando do maior banco privado alemão.

Kirch, que morreu em 2011, aos 84 anos, acusava o Deutsche Bank de ter provocado a quebra do seu grupo em 2002 por causa de uma entrevista de Breuer. O então co-presidente do banco lançara dúvidas sobre a solidez financeira do grupo de mídia, que tinha canais de televisão para assinantes e detinha direitos de difusão de eventos esportivos.

Fitschen, que é co-presidente do Deutsche Bank com Jain desde junho de 2012, depôs em 2011 e é suspeito de não ter corrigido declarações "manifestamente falsas" dos outros acusados para não prejudicar a estratégia de defesa, afirmou o Ministério Público em setembro.

O Deutsche Bank anunciou em fevereiro de 2014 que pagaria 925 milhões de euros aos herdeiros de Kirch para resolver o caso, que se arrastava na Justiça há mais de dez anos. Mas as investigações do Ministério Público continuaram, agora com foco na tentativa de enganar a Justiça.

O Deutsche Bank não comentou as acusações, mas lembrou que a presunção de inocência vale para todos os membros, antigos e atuais, da sua diretoria.

AS/lusa/afp/efe/dpa/rtr

Leia mais