1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Ciência e Saúde

Cientistas pedem mais verbas para proteger a Terra de ameaças do espaço

Passagem de um asteroide bem próximo da Terra e chuva de meteoritos que provocou estragos e mais de mil feridos na Rússia fazem com que cientistas e autoridades defendam sistema de defesa contra os perigos do espaço.

Sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013: no mesmo dia em que um meteorito cai sobre a Rússia, um asteroide passa próximo à Terra e bate recorde de aproximação. "Com certeza, isso acontece somente uma vez", declarou o cientista norte-americano James Gleason, pesquisador de corpos celestes na Universidade de Michigan.

Agora, os restos do meteorito devem ser utilizados para se aprender mais sobre esse corpo celeste para que, no futuro, possa haver uma melhor previsão sobre sua ocorrência, declarou o cientista à agência de notícias DPA.

Segundo Gleason, pedaços pequenos de escombros do espaço caem constantemente, mas um asteroide como o 2012 DA14, que passou de raspão pela Terra nesta sexta-feira, teria sido realmente uma ameaça caso tivesse se chocado com o planeta. Mas trata-se de um fenômeno natural, contra o qual "não podemos empreender nada no momento".

O pesquisador norte-americano disse que não há registro, até agora, de nenhum objeto que vá se chocar com a Terra num futuro próximo e que possa representar uma ameaça à vida no planeta. "Mas o sistema de observação existente é relativamente novo, bem como a consciência de que esse objeto poderia significar uma ameaça. A história de nosso desenvolvimento biológico na Terra foi fortemente influenciada por colisões de meteoritos e, certamente, voltará a ser no futuro", acrescentou.

Rekordbegegnung mit Asteroiden

Simulação do Asteroide 2012 DA14 aproximando-se da Terra

Mais verbas para pesquisa

Gleason explicou que não existe, atualmente, possibilidade de se evitar uma colisão de um asteroide contra a Terra. E que o mais importante é o tempo: quanto mais cedo se conhece o perigo, maior a possibilidade de modificar a órbita do objeto, para que não colida contra o planeta. "Para tal, foguetes poderiam, por exemplo, ser lançados", concluiu o cientista norte-americano.

Essa também é a opinião da Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês). Neste sábado em Darmstadt, na Alemanha, o porta-voz da ESA, Bernhard von Weyhe, declarou que "se tal pedra gigante voar, um dia, em direção à Terra, seria preciso enviar uma missão de desvio". O porta-voz disse que, no momento, ainda não se veem ameaças concretas, mas "existem alguns candidatos críticos nas próximas décadas".

Após a passagem do asteroide 2012 DA14, a ESA espera agora receber mais verbas para a pesquisa e a defesa frente a tais corpos celestes. Segundo Von Weyhe, os cientistas desejam saber mais sobre esses objetos através de missões exploratórias. Mas isso seria "uma questão de prioridades políticas", explicou a ESA.

A Agência Espacial Europeia informou que a passagem do asteroide não teve nenhum impacto sobre seus 13 satélites em órbita. Também não foi registrada nenhuma interferência eletromagnética. Segundo as avaliações da ESA, o asteroide 2012 DA14 pesa 130 mil toneladas, tem um diâmetro de quase 50 metros e é composto em grande parte por metais. Mas a "natureza exata de um asteroide como esse é difícil de analisar em voo", declarou a ESA. Por esse motivo, os cientistas espaciais europeus anseiam por mais meios financeiros, para melhorar seus métodos.

Meteoriteneinschlag am See Tschebarkul in Russland

Mergulhadores vasculham lago russo à procura de partes do meteorito

Sistema mundial de defesa

Na Rússia, após a chuva de meteoritos, o trabalho de limpeza teve início na região dos Montes Urais. Segundo o ministro russo de Situações de Emergência, Vladimir Pushkov, cerca de 20 mil pessoas estão ajudando em Tcheliabinsk, a maior entre as cidades atingidas pelos fragmentos.

Em visita à cidade neste sábado, Pushkov explicou que os ajudantes avaliam os efeitos da onda de choque causada pelo meteorito, que explodiu em voo, sobre as estruturas dos edifícios. As autoridades russas informaram que cerca de 3 mil prédios foram danificados e que, dos 1.200 feridos – cuja maioria foi atingida por vidros estilhaçados pela explosão –, 40 ainda estavam em tratamento hospitalar.

Um porta-voz do Ministério de Situações de Emergência disse neste sábado que mergulhadores estariam procurando restos do meteorito de 10 toneladas no lago Sherbakul. Imagens de televisão mostraram um buraco na superfície congelada do lago. Enquanto isso, devido ao perigoso fenômeno natural, autoridades russas pedem agora um sistema mundial de defesa contra objetos espaciais.

CA/dpa/dw/afp
Revisão: Fernando Caulyt

Leia mais