1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Cientistas pedem mais pesquisa em biotecnologia

Primeiro relatório sobre tecnologia genética no país afirma que proibição de estudos com células-tronco tirou a Alemanha da vanguarda dos experimentos em engenharia genética.

default

Sementes modificadas: chave para o futuro?

A Alemanha poderá perder o bonde da história se mantiver políticas conservadoras em relação a pesquisas com biotecnologia e células-tronco. Essa é uma das conclusões do primeiro Relatório de Engenharia Genética da Academia de Ciências Berlim-Brandemburgo, apresentado nesta quarta-feira (07/09), na capital alemã. O objetivo do estudo foi aproveitar a proximidade das eleições para influenciar o novo governo a modificar regras que restrinjam experimentos científicos na área.

O documento de 579 páginas, redigido por uma equipe de 11 cientistas, analisa o estágio de desenvolvimento das pesquisas com DNA humano em projetos relacionados a diagnóstico e prevenção de doenças, investigações forenses e na melhoria da produtividade na agricultura.

De acordo com o professor de medicina molecular Jens Reich, um dos envolvidos no relatório, há um consenso de que não é possível pensar em pesquisa científica séria quando se ignora a biotecnologia.

Leis mais flexíveis

Fogelgrippe, Labortest

Laboratório: testes em compasso de espera

O relatório pede a flexibilização das leis relacionadas a pesquisas em biotecnologia. Afinal, a comunidade científica alemã quer ser incluída no processo de estabelecimento de regras para experimentos envolvendo engenharia genética e células-tronco.

O Parlamento alemão usou um dos mais importantes artigos da Constituição do país – relativo à dignidade e à segurança do ser humano – para estabelecer regras duras, que dificultam a pesquisa com material genético.

A exemplo do que ocorre no Brasil, a Alemanha ainda não conseguiu chegar a um consenso legal sobre o início da vida humana – até agora, porém, ganha a tese de que embriões têm de ser considerados seres vivos e não podem ser usados exclusivamente para fins científicos.

Os dois países enfrentam também problemas para definir uma estratégia para a modificação genética de plantas. Na Alemanha, pesquisadores afirmam que a lei colocou a preocupação com os perigos dos experimentos antes das chances de desenvolvimento econômico que eles poderiam proporcionar.

Segundo o bioquímico Ferdinand Hucho, outro envolvido na elaboração do estudo, a estratégia de proibição do governo alemão não é forte o suficiente para impedir o desenvolvimento de experimentos em engenharia genética ao redor do mundo.

Por isso, a Alemanha deveria, segundo ele, observar e acompanhar experimentos biotecnológicos em vez de simplesmente proibi-los. Hucho afirma que a comunidade científica precisa ganhar mais espaço para defender a pesquisa com células-tronco.

Pesquisas paradas

Symbolbild Stammzellenforschung Mensch

Células-tronco: material de pesquisa?

O bioquímico diz que é necessário um relaxamento das regras para a importação e a pesquisa de células-tronco de embriões humanos. As leis atuais, segundo ele, ferem o direito dos cientistas de realizar experimentos na área.

O grupo de trabalho responsável pelo Relatório de Engenharia Genética pretende organizar um capítulo especial sobre células-tronco até o fim do ano, para acentuar ainda mais o debate sobre a flexibilização das leis alemãs no setor.

Recentemente, os cientistas obtiveram uma vitória. O chanceler federal Gerhard Schröder afirmou que as leis alemãs impedem o avanço científico do país em diversas áreas e, por essa razão, acenou com a possibilidade de abrandar as regras para experimentos com engenharia genética. Atualmente, todo projeto de pesquisa precisa de uma autorização individual antes de ser iniciado.

Mas, apesar do debate sobre o atraso das pesquisas em engenharia genética, também há no país uma preocupação social com o tema. Grupos afirmam que a fronteira entre pesquisas de base e experimentos práticos nem sempre é bem definida. Por isso, defende-se uma maior reflexão sobre que tipo de pesquisas envolvendo células-tronco são realmente necessárias e discute-se a possibilidade da abertura de centros científicos especiais para a realização destes experimentos.

Leia mais

Links externos