Cientistas desenvolvem nova técnica de tratamento da artrose | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 14.05.2007
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Cientistas desenvolvem nova técnica de tratamento da artrose

Através do uso de células-tronco, pesquisadores da Universidade de Lübeck desenvolvem técnica mais econômica para o tratamento do desgaste das articulações.

default

Desgaste do tecido cartilaginoso pode levar à artrose

Menos intervenções cirúrgicas e substancial redução de custos são algumas das vantagens da nova técnica desenvolvida pelos pesquisadores da Universidade de Lübeck. Ela visa a reparação do tecido cartilaginoso que reveste as articulações, absorvendo choques e facilitando o deslizamento, e cujo desgaste é responsável pela artrose.

O novo procedimento, denominado Amic (sigla em alemão para condrogênese induzida por matriz autóloga), já é empregado por clínicas de Hannover, Regensburg, Freiburg e Potsdam. Além de prometer uma economia de até 700% no tratamento cirúrgico da artrose, ele necessita somente de uma intervenção cirúrgica, em vez das três habituais.

Tratamento dispendioso

O procedimento até agora utilizado pelos cirurgiões ortopedistas denomina-se ACT (transplante autólogo de condrócitos). Primeiro, retira-se tecido cartilaginoso de outras partes do corpo. Este é tratado por firmas especializadas, com o objetivo de elevar ao máximo o número da cultura de condrócitos, células contidas neste tecido.

O ACT exige mais duas intervenções cirúrgicas. Retira-se periósteo do paciente, membrana fibrosa que reveste o osso externamente, que é depositado sobre o joelho defeituoso como uma espécie de travesseiro. As culturas de condrócitos são então ali injetadas. Finalmente, o conjunto é envolto com cola de fibrina, uma proteína que age como um aderente.

Palladino von Juventus mit Problemen am Knie

O joelho é uma das articulações mais problemáticas

Sobre este "travesseiro" cresce o novo tecido, semelhante ao cartilaginoso. O crescimento é apoiado com colágeno animal – a proteína mais comum entre os mamíferos. O colágeno utilizado pelos cirurgiões é produzido industrialmente, em geral a partir de pele de gado. Ele se assemelha a uma esponja e serve de estrutura para as novas células.

O problema neste tipo de procedimento está no preço: 3,5 a 7 mil euros, sem contar os custos da cirurgia.

Células-tronco mesenquimais

A nova técnica Amic também envolve colágeno. Com um martelo cirúrgico fazem-se pequenos furos nos ossos cujo tecido cartilaginoso está desgastado. O resultado são pequenos sangramentos da medula que contém células-tronco mesenquimais. Sobre o conjunto é aplicada então a esponja de colágeno, na medida da superfície desgastada.

Peter Behrens, cientista da Universidade de Lübeck, desenvolveu o novo procedimento. Ele explica ainda que "utiliza-se, adicionalmente, uma pequena quantidade de plasma do paciente, pois ele contém um fator de crescimento que leva as células-tronco dos ossos a se tornarem células cartilaginosas".

Técnica fascinante

Erstmals Knieprothese mit Roboter-Hilfe implantiert

Amic: alternativa para implantes de próteses

A reparação funciona como uma camada de asfalto e deve ser trocada depois de três a cinco anos. "Posso fazê-lo quantas vezes for necessário", explica Behrens.

O cientista acrescenta que o fascínio desta técnica é que "ativamos nossas próprias células". A técnica do transplante das células da medula para o tratamento de pacientes com leucemia é agora utilizada para tratar defeitos do tecido cartilaginoso.

Em vez de três cirurgias, somente uma é agora necessária e os custos são reduzidos para cerca de mil euros. Centenas de pacientes foram tratados, com sucesso, pelo novo procedimento. (dk/ca)

Leia mais