1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Cientistas aprendem com as aranhas

Estes animais de oito patas receberam atenção especial da classe científica. Observando o movimento dos aracnídeos, pesquisadores de Karlsruhe desenvolveram uma moderna prótese de mão.

default

A neuroprotética é um campo muito especial da técnica médica, que se ocupa com a produção de próteses. Utilizando-se de partes intactas do sistema nervoso, os cientistas as adaptam a uma outra função.

Com o auxílio da microtécnica, pesquisadores e técnicos buscam o aperfeiçoamento de próteses já existentes para casos de amputação de membros. O Centro de Pesquisa Karlsruhe obteve sucesso ao desenvolver uma prótese para a mão humana que tem os movimentos quase tão naturais quanto um membro verdadeiro.

Uma difícil tarefa

A mão é considerada uma das ferramentas mais complexas da natureza. Copiar os mecanismos que permitem pegar um grão de feijão, apagar a luz, folhear um livro era até hoje impossível. Assim, o resultado alcançado em Karlsruhe é pioneiro.

Arabic Pins & Swiss Cups

A coordenação motora fina é recuperada com a nova prótese

Uma técnica inédita permitiu substituir o tradicional e dispendioso sistema de transmissão de uma prótese – o eletromotor, por um eficaz mecanismo hidráulico comandado por computador. Para Stefan Schulz, cujo trabalho no projeto foi reconhecido com um prêmio científico, a nova mão amplia os horizontes deste campo da ciência.

Ao contrário das próteses convencionais, onde um eletromotor e uma engrenagem permitem o movimento dos dedos, a "mão líquida" ( fluidhand) é equipada com um sistema hidráulico em miniatura, isto quer dizer, "uma pequena bomba e uma válvula que transmitem líquido para os dedos, provocando o movimento", explica Schulz. Toda ação é comandada por computador.

Stefan Schulz e seus colegas basearam a descoberta num exemplo na natureza. As aranhas possuem em suas pernas um sistema hidráulico semelhante ao empregado na prótese.

Lição aracnídea

"As aranhas trabalham a partir de um princípio funcional muito semelhante", comenta Schulz. "Estes animais têm câmaras elásticas nas juntas das pernas, e no corpo se encontra um tipo de bomba de sangue." Com isso, bombeiam o líquido para as articulações e se movimentam.

"Elas possuem uma espécie de sistema hidráulico em miniatura em seu pequeno corpo", acrescenta o pesquisador. "A grande vantagem é que assim podem movimentar numerosas articulações com força e rapidez."

Copiando a natureza

Spinne in ihrem Spinnennetz

Cientistas observaram as aranhas para desenvolver nova técnica

No caso da prótese, uma válvula dosa um líquido especial, que flui até os dedos da mão. O comando para o envio da quantidade necessária deste líquido resulta do trabalho de sensores na prótese. Através de um microprocessador, os sensores ficam conectados à musculatura ainda funcional do antebraço do paciente. Essa correspondência entre as fibras musculares e as da prótese é denominada "mioelétrica".

"Da região ainda íntegra do corpo partem os impulsos motores, que são captados pelo sistema sensorial da prótese, desencadeando a liberação do líquido que move o dedo", explica Schulz. "Até o momento era muito difícil dar mobilidade à mão na prótese, por falta de espaço", lembra.

Esta nova tecnologia foi possível devido ao desenvolvimento de um software especial, que reconhece o sinal muscular vindo do antebraço. As habilidades da mão – apertar, apontar e tocar – são preservadas.

Para aperfeiçoar mais ainda o sistema, Schulz e o grupo de cientistas copiaram exatamente o exemplo da aranha. "Este sistema de transmissão se encontra em cada junta do dedo que realiza o movimento", complementa.

Leia mais