Cidade do leste alemão discute medidas de combate ao extremismo de direita | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 31.10.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Cidade do leste alemão discute medidas de combate ao extremismo de direita

Marchas neonazistas e grafites de teor racista deram a Zossen, no leste da Alemanha, a fama de antro da extrema direita. Os moradores concordam que o problema tem que ser combatido, mas divergem quanto às medidas.

default

Parede pichada na cidade: 'ódio'

Zossen fica no estado de Brandemburgo, que circunda Berlim, no leste alemão. Antes da reunificação do país, a cidadezinha de seis mil habitantes pertencia à então Alemanha Oriental. A localidade, da mesma forma que toda a região que fazia parte ex-Alemanha Oriental, passou por momentos difíceis depois da reunificação do país.

No início dos anos 1990, os altos índices de desemprego acentuaram ainda mais a sensação de que os alemães ocidentais mantinham um olhar de arrogância em relação aos habitantes do leste do país. Esse quadro contribuiu para que alguns moradores da cidade se aliassem a grupos de direita. Hoje, a situação já é um pouco melhor, embora ainda haja núcleos de extrema direita em Zossen. Enquanto isso, o desenvolvimento econômico da região continua não sendo dos melhores. Há muitas lojas abandonadas e prédios precisando urgentemente de reformas. No centro da cidade, não é difícil encontrar jovens que confessam abertamente suas predileções pelo extremismo de direita.

Zossen "mostra a sua cara"

Marktplatz in Zossen

Centro de Zossen

Jörg Wanke faz parte da Iniciativa "Zossen mostra a sua cara", uma organização local que reúne aproximadamente 50 pessoas voltadas para o combate do extremismo de direita. "Em fins de 2008 e início de 2009, os neonazistas marcharam por Zossen, carregando tochas nas mãos", relembra Wanke. "Acontecem ainda crimes menores, como pichações de suásticas e slogans nazistas nos muros da cidade. E alguém desfigurou um memorial em homenagem às vítimas do 'Terceiro Reich'", conta ele.

O local usado como sede da iniciativa, a Casa da Democracia, também foi incendiado no ano passado. E apesar das boas intenções da "Zossen, mostra sua cara", Wanke e sua equipe não são bem vistos por todo mundo na cidade. "Um corretor de imóveis me culpou por não estar conseguindo vender suas casas mais, por causa da má fama que a cidade estaria ganhando em função de nossas atividades", diz ele. "Vivi aqui 20 anos, mas algumas pessoas me tratam como seu eu fosse um traidor por estar fazendo o que faço", relata Wanke.

Sensação de pertencimento

Um organização governamental tenta criar uma ponte sobre o abismo existente entre a iniciativa de Wanke e os habitantes de Zossen: a MAT ('Mobile Advisory Team – equipe de assessores móveis), tenta conscientizar a população do estado de Brandemburgo em relação à importância de valores democráticos.

Jan Kassiske, um de seus membros, explica que o extremismo de direita dos dias de hoje não acontece somente em função de uma ideologia. "Hoje em dia, o que mais importa é fazer parte de um grupo. Esses grupos de direita têm ótimas plataformas na internet e canções de hard rock com letras extremistas, por exemplo. Eles continuam sendo perigosos para a democracia", completa Kassiske.

A fim de dar continuidade a seus eforços em prol da democracia na cidadezinha, Wanke e sua equipe encontaram um novo local, que poderá funcionar como uma nova Casa da Democracia. Ironicamente, o prédio fica em frente ao corpo de bombeiros. No entanto, ele não poderá ser ocupado tão cedo, porque a iniciativa está enfrentando resistências por parte da prefeitura da cidade.

Combate discreto

Deutschland Bürgermeisterin Michaela Schreiber aus Zossen

Michaela Schreiber, prefeita de Zossen

Michaela Schreiber ocupa o cargo de prefeita desde 2003, tendo sido reeleita em setembro último. Embora ela admita a presença de extremistas de direita em Zossen, ela diz que há um certo exagero em torno do problema, acreditando que fazer estardalhaço em volta do assunto não irá ajudar em nada. "Essa é uma cidadezinha pequena. Todo mundo conhece todo mundo. Sendo assim, a maioria das pessoas sabe quem são os cinco ou seis extremistas organizados aqui. Zossen não um antro de extremismo de direita, como muita gente alega", fala Schreiber.

Ela também minimiza o significado do incêndio ocorrido na Casa da Democracia. "Ele foi causado por um adolescente de fora da cidade, que tem deficiências mentais", diz a prefeita. Nascida na cidade, ela saiu para estudar no estado de Renânia-Palatinado, no oeste do país, e voltou depois que concluiu a universidade, de saudades da cidade onde cresceu. Desde que assumiu a prefeitura, ela acredita que o combate ao extremismo deve se dar de maneira discreta, economicamente. Para isso, ela aumentou o número de assistentes sociais na cidade. E o índice de 7% de desempregados é baixo, se comparado ao resto do estado de Brandemburgo.

Clima pesado

Jan Kassiske diz que Schreiber fez bem em voltar a viver em Zossen. "A prefeita tem boas ideias, como por exemplo dar apoio à assistência social. Isso foi um sucesso", analisa o funcionário da MAT. Ele também elogia os esforços de Schreiber para combater o extremistmo, embora seus métodos nem sempre alinhem-se com os da Ong "Zossen mostra sua cara". Enquanto "a iniciativa tem orientação de base, a prefeita segue uma orientação administrativa. As duas coisas não funcionam juntas. É difícil propagar uma atmosfera democrática em uma situação difícil como essa", conclui Kassiske.

Em meio às divergências entre a prefeita e a ONG "Zossen mostra sua cara", os extremistas de dieita poderão se beneficiar da ausência de progresso, mantendo-se na cidade. "A cena da extrema direita é muito móvel. Eles estão sempre mudando para onde é mais confortável para eles", analisa Kassiske.

Melhor que nada

Deutschland NPD-Mai-Kundgebung in Zwickau

Neonazista ligado a partido de extrema direita NPD

O argumento da prefeita é de que se deve observar o extremismo com cuidado e discrição, a fim de não chamar a atenção, o que fortaleceria Partido Democrático Nacional (NPD), de extrema direita. "Nossa experiência é a de que com quanto mais força a iniciativa lutar contra nós, mais seguidores ganhamos, principalmente quando chegam as eleições", diz Sven Haverland, organizador local do NPD.

Wanke, por sua vez, fica incomodado toda vez que alguém pergunta se as ações da "Zossen mostra sua cara" estão, de fato, causando mais danos que benefícios. "É mais perigoso não fazer nada", diz ele com plena convicção.

Autores: Naomi Conrad, Adi Halfon (sv)

Leia mais