Cidadãos da UE reclamam sobretudo da falta de transparência | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 15.04.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Cidadãos da UE reclamam sobretudo da falta de transparência

Relatório anual do ombudsman da União Européia revela que falta de transparência das instituições é o motivo mais freqüente de queixas dos cidadãos do bloco.

default

Nikiforos Diamandouros cuida das queixas dos cidadãos europeus

As instituições da União Européia pecam por estarem distantes dos cidadãos, segundo o ombudsman Nikiforos Diamandouros. Das queixas recebidas por sua entidade em 2007, 28% – um percentual tão alto como nunca – referiam-se à falta de transparência, por exemplo, a casos que envolviam recusa de fornecimento de informações e de documentos.

Outras reclamações freqüentes têm a ver com atrasos no pagamento de recursos, com decisões injustas, com o abuso do poder ou com erros em procedimentos. Diamandouros apresentou em Bruxelas, nesta terça-feira (15/04), seu relatório anual referente a 2007.

Alemães campeões em números absolutos

O ombudsman da UE, que atua junto ao Parlamento Europeu, está aberto a reclamações de todos os cidadãos do bloco. No entanto, nem todas as reclamações são realmente de sua alçada. Das 3.211 queixas encaminhadas no ano passado, 641 levaram a investigações, das quais 348 foram concluídas.

O maior número de queixas – 16% do total – partiu de cidadãos alemães. "Pela primeira vez a Alemanha ultrapassou a Espanha como fonte de reclamações", declarou Diamandouros. "Faz sentido, porque a Alemanha é o maior país-membro e não tem um ombudsman nacional, apenas uma comissão de petição junto à câmara baixa do Parlamento, o Bundestag", esclareceu.

Em proporção ao número de habitantes, no entanto, a maioria das queixas veio dos menores países-membros, Malta, Luxemburgo e Chipre.

Comissão Européia é alvo mais freqüente

Quase dois terços das investigações realizadas pelo ombudsman tinham por objeto a Comissão Européia. Isto não seria, no entanto, sinal de falta de eficiência e de qualidade no trabalho do órgão executivo do bloco. A explicação estaria na proporção da Comissão Européia, que emprega 25 mil funcionários, quase dois terços de todo o quadro da UE.

O ombudsman e seus colaboradores, que custam aos cofres públicos europeus 8 milhões de euros ao ano, podem intervir, censurar, cobrar soluções. Mas pronunciar veredictos e impô-los, como fazem os tribunais, não faz parte de suas competências.

Leia mais