Ciclovia vai atravessar 20 países ao longo da Cortina de Ferro | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 26.04.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Ciclovia vai atravessar 20 países ao longo da Cortina de Ferro

Regiões da Macedônia e Bulgária se unem para a construção de uma ciclovia turística ao longo da Cortina de Ferro. O percurso de bicicleta terá mais de 7 mil quilômetros.

default

Entre Oriente e Ocidente

Radweg Eiserner Vorhang

Um castelo na beira da água, na Estônia

Representantes de quatro regiões da Macedônia e Bulgária – países adjacentes à chamada Cortina de Ferro – aprovaram o projeto de uma ciclovia turística e histórica. O percurso de 7 mil quilômetros vai cruzar 20 países que, há pouco mais de 20 anos, tinham como fronteira o símbolo da Guerra Fria.

O objetivo do projeto, que recebe o apoio da União Europeia, é criar a rota EuroVelo 13, em que o ciclista poderá percorrer 40 anos de história europeia.

Outras ciclovias históricas

Projetos semelhantes já existem na Alemanha. Um deles é a ciclovia ao longo de antigo Muro de Berlim, com uma extensão de 160km. Ao percorrê-la, é possível enxergar o cenário que persistiu de 13 de agosto de 1961 a 9 de novembro de 1989, enquanto o Muro de Berlim dividia a capital alemã.

Já a rota ao longo da fronteira que separava a Alemanha Ocidental da Oriental, com 1.378 km, vai de Travemünde, na costa do mar Báltico, até a fronteira entre Alemanha, República Tcheca e Áustria. O percurso inclui a “faixa da morte”, zona fronteiriça que, entre 1958 e 1989, continha torres de controle, muros e cercas para dividir o território das duas Alemanhas.

Longo caminho

Radweg Eiserner Vorhang

Trajeto ao longo da Cortina de Ferro perfaz 7 mil quilômetros

Essa divisão geopolítica na época da Guerra Fria evidentemente não se restringia apenas à Alemanha. A Cortina de Ferro cortava a Europa a partir do mar de Barents, na fronteira entre Rússia e Noruega, até a costa búlgara do Mar Negro.

Os sete mil quilômetros da Eurovelo 13 tornarão “visíveis 40 anos de história europeia”, disse o fundador do projeto, o parlamentar europeu Michael Cramer, do Partido Verde.

O Iron Courtain Trail, como o projeto é chamado, foi aprovado pela Comissão Europeia no verão de 2009 e aos poucos conquistou o apoio dos países envolvidos. Dos 20 em questão, 14 fazem parte da União Europeia.

Por promover o turismo sustentável – sendo a bicicleta o meio de locomoção — e o desenvolvimento de diversas regiões com pouca concentração turística, a iniciativa recebeu o apoio comunitário e também de organizações de desenvolvimento, como a Sociedade Alemã de Cooperação Técnica (GTZ).

“A Hungria apoia a construção da ciclovia, pois essa é uma boa oportunidade de desenvolver o turismo nas regiões mais distantes”, disse à Deutsche Welle Miklós Kovács, secretário de Estado de Turismo da Hungria. Segundo uma análise, o projeto tem potencial de promover aproximadamente 849 mil viagens anuais à região.

Radweg Eiserner Vorhang

Arame farpado na fronteira da Eslováquia

“Se a rota do Muro de Berlim levou dez anos até ser implementada, e a das duas Alemanhas 15 anos, esta deverá demorar uns 25 anos, mas chegaremos lá”, disse Cramer. Ele fez o percurso do Muro pela primeira vez 1989 e, como deputado da cidade-Estado de Berlim, viabilizou que o caminho fosse classificado como histórico e digno de conservação.

Posteriormente, decidiu-se fazer o mesmo com a fronteira entre as duas Alemanhas. Em 2007 surgiu então uma nova trilha através de um cinturão verde de vários quilômetros de largura, uma área que permaneceu intocada durante 40 anos e hoje abriga diversas reservas para preservação de flora e fauna. A ciclovia atravessa parques nacionais e cruza algumas vezes a antiga fronteira alemã-alemã, além de abranger muitos pontos de interesse histórico.

A longo prazo

Embora o projeto tenha despertado interesse, conquistando apoio de diversos organismos nacionais e regionais, ele deverá ser implementado a longo prazo.

“A realização depende da vontade política”, diz Cramer: "Se cada país construísse um quilômetro a menos de estradas a cada ano, o projeto estaria garantido". Ele imagina essa ciclovia como uma combinação de natureza e história ao longo da antiga fronteira, um percurso confortável para o turista, longe das estradas movimentadas. Para cumprir sua missão cultural e histórica, a trilha teria que cruzar diversas vezes a fronteira intransitável durante tantos anos e mostrar a maior quantidade possível de lugares históricos.

Natureza, história, bicicleta e conforto

Na cidade húngara de Sopron, por exemplo, a ciclovia da Cortina de Ferro passa pela chamada “praça do piquenique”, na fronteira com a Áustria. Esse é o lugar exato onde, em 19 de agosto de 1989, cerca 700 cidadãos da antiga Alemanha Oriental conseguiram passar para o Ocidente, após o discreto fluxo de fugitivos que se estendera pelos meses anteriores.

Em 11 de setembro daquele ano se abriria oficialmente a fronteira da Hungria com a Áustria. Assim como esse exemplo, muitos outros revelam ao ciclista uma história de décadas de separação.

Radweg Eiserner Vorhang

Resquícios de interdição por toda parte

Para que a Eurovelo 13 fique pronta, além da adequação do caminho, a infraestrutura turística regional é imprescindível. E o projeto aposta nas parcerias locais, a fim de que se criem hotéis para suprir as necessidades deste tipo de turismo, com vagas para bicicletas e oficinas ou ofertas do tipo bed&bike. Afinal, não adiantaria nada criar um percurso interessante através da história que não atraia ninguém.

Autora: Mirra Banchón (np)
Revisão: Simone Lopes

Leia mais