1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Chirac corrige declarações sobre programa nuclear iraniano

Depois de dizer que não seria "muito perigoso" se o Irã tivesse a bomba nuclear e que o país seria "arrasado" se a utilizasse contra Israel, presidente francês concede nova entrevista para corrigir suas declarações.

default

Declarações polêmicas do presidente francês foram dadas às imprensas norte-americana e francesa

Depois de ter declarado nesta segunda-feira (29/01) aos jornais The New York Times e The International Herald Tribune e à revista semanal Nouvel Observateur que se o Irã tivesse a bomba nuclear não seria "muito perigoso" e que se a utilizasse contra Israel seria imediatamente "arrasado", o presidente francês, Jacques Chirac, convocou os mesmos jornalistas nesta terça-feira para retificar as afirmações.

As declarações proferidas segunda-feira por Chirac contrastam com a política oficial defendida pela França de impedir e trabalhar para prevenir a obtenção de armas nucleares por Teerã.

"Eu deveria ter prestado atenção para o que estava dizendo e perceber que estava 'on record'", afirmou Chirac no segundo encontro com os jornalistas na terça-feira, segundo relata o jornal The New York Times em sua edição de quinta-feira (01/02).

Teerã arrasada

"Eu diria que o que é perigoso nesta situação não é o fato de ter a bomba nuclear. Ter uma ou talvez duas bombas um pouco mais tarde, bem, isso não é muito perigoso", dissera Chirac na segunda-feira. Pelo contrário, o perigo recairia sobre as hipóteses de uma proliferação ou de uma corrida às armas no Oriente Médio caso o Irã fabrique a bomba nuclear.

A posse da arma não serviria de nada ao Irã porque a sua utilização teria como resposta um contra-ataque imediato, explicou. "Onde cairia esta bomba? Em Israel?", questionou Chirac. "Não atingiria 200 metros na atmosfera e já Teerã teria sido arrasada", adiantou.

No segundo encontro com os jornalistas, Chirac corrigiu esse comentário. "Desdigo, claro, o que disse, que Teerã seria arrasada", sublinhou.

Distraído

Na entrevista de segunda-feira, Chirac também disse que outros países travariam a chegada ao alvo de qualquer bomba lançada pelo Irã. "É óbvio que esta bomba, no momento que seria lançada, obviamente seria destruída imediatamente", afirmou. "Temos os meios – vários países têm os meios para destruir a bomba", adiantou na segunda-feira.

As duas jornalistas do The New York Times que participaram nas entrevistas comentam na edição de quinta-feira do jornal, que inclui transcrições traduzidas do francês para o inglês, que na primeira reunião, na manhã de segunda-feira, Chirac parecia distraído e teve de consultar os assessores várias vezes para recordar nomes e datas.

Ao contrário, na entrevista de terça-feira, depois do almoço, Chirac parecia "mais confiante" e "mais cômodo" face aos temas em debate, referem as duas jornalistas.

Além da revista semanal Nouvel Observateur, os jornais The New York Times e The International Herald Tribune colocaram na primeira página as declarações de Chirac nas duas entrevistas, sublinhando que o presidente francês retificou as declarações iniciais um dia depois.

Leia mais