1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

China diz que dissidente Chen pode ir estudar no exterior

Sugestão de Pequim pode representar fim da crise diplomática entre Estados Unidos e China por causa de ativista chinês cego. Em visita a Pequim, secretária de Estado Hillary Clinton voltou a falar sobre direitos humanos.

Um porta-voz do Ministério chinês das Relações Exteriores apontou nesta sexta-feira (4/05) uma solução para a atual crise diplomática sino-americana sobre o ativista Chen Guangcheng. Chen poderá sair do país caso queira estudar no exterior.

"Se ele quiser estudar em outro país, como cidadão chinês, ele pode candidatar-se recorrendo aos procedimentos normais de acordo com a lei", referiu o porta-voz Liu Weimin em comunicado.

Ativista chinês Chen Guangcheng à saída da embaixada dos EUA acompanhado por oficiais norte-americanos

Ativista chinês Chen Guangcheng (e) deixa a embaixada dos EUA em Pequim

Chen, de 40 anos, denunciou casos de abortos forçados e esterilizações sob a política do filho único na China. Há duas semanas, ele escapou da prisão domiciliar e procurou refúgio junto à embaixada norte-americana.

Na última quarta-feira, funcionários da embaixada norte-americana transportaram o ativista chinês para um hospital em Pequim, depois de a China ter garantido que Chen e a sua família teriam um tratamento melhor.

Pequim acusou Washington de se intrometer nos assuntos internos do país.

Hillary Clinton em Pequim

O anúncio do Ministério chinês das Relações Exteriores acontece no segundo e último dia de uma visita da secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, à China. Num discurso no fim das conversações estratégicas entre a China e os Estados Unidos, a chefe da diplomacia norte-americana justificou o fato de o seu país continuar insistindo junto à nação asiática sobre o tema dos direitos humanos.

Hillary Clinton e Hu Jintao durante as conversações estratégicas entre EUA e China

Hillary Clinton e Hu Jintao durante as conversações estratégicas entre EUA e China

"É claro que os Estados Unidos continuam falando sobre direitos humanos, porque pensamos que é essencial defendê-los em qualquer país", disse Clinton. "Falamos sobre casos específicos quando é necessário, porque não podemos ignorar as áreas em que divergimos no contexto da relação de compreensão mútua que estamos construindo".

O conselheiro de Estado chinês, Dai Bingguo, classificou o diálogo entre os dois países como um "tremendo sucesso", mas haveria, segundo ele, diferenças de opinião sobre este assunto.

"No que diz respeito ao tema direitos humanos, não há nenhum país que possa dizer que é perfeito. A China vai continuar no caminho correto que escolheu", disse Bingguo, citado pela agência de notícias Associated Press.

Estados Unidos pedem processo rápido

Ativista chinês Chen Guangcheng com a sua família

Ativista chinês Chen Guangcheng com a sua família

Hillary Clinton disse que vai deixar a China "encorajada" com os desenvolvimentos no caso do ativista Chen Guangcheng e com o anúncio de que Chen poderá ser autorizado a estudar no exterior.

No final da visita, Clinton disse aos jornalistas que "foram feitos progressos para ajudar [Chen Guangcheng] a alcançar o futuro que ele deseja".

O Departamento de Estado norte-americano informou que uma Universidade nos Estados Unidos já ofereceu uma bolsa de estudos ao dissidente chinês cego e ressaltou que Washington espera por parte da China uma autorização rápida para que Chen e sua família possam sair do país.

GCS/ap/rte/afp/dpa
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais