1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

China desvaloriza yuan para estimular exportações

Redução de 2% é a maior depreciação da moeda chinesa em um único dia desde 1994. Anúncio acontece depois de as exportações do país terem caído 8,3% em julho.

O Banco Popular da China (PBoC) anunciou nesta terça-feira (11/08) um decréscimo significativo no valor da moeda chinesa, o yuan, que é fortemente controlada.

O PBoC definiu a chamada "paridade central" do yuan em 6,2298 para cada dólar americano, em comparação com os 6,1162 no dia anterior. É o nível mais baixo em três anos. A redução de 2% marca a maior desvalorização diária do yuan desde 1994. Na China, o câmbio não é livre, mas fixado pelo PBoC.

A medida visa estimular as exportações, pois os produtos chineses ficam mais baratos com a desvalorização. No sábado, a China havia anunciado uma queda de 8,3% nas exportações em julho, a maior em quatro meses e muito acima da retração de 1,5% estimada por analistas.

A China está tentando incluir o yuan no pacote de moedas de reserva do Fundo Monetário Internacional (FMI), que já inclui o euro, o dólar americano, a libra esterlina e o iene japonês.

Mas o FMI tem se mostrado pouco receptivo à iniciativa, alegando ser verdade que yuan cumpre os critérios de ser uma moeda utilizada em larga escala para exportações, mas que outras exigências seguem problemáticas.

Entre elas está o rígido controle do câmbio por Pequim, o que tem sido um incômodo para os Estados Unidos, maior contribuidor do FMI. Washington há muito tempo acusa a China de manter o yuan desvalorizado para impulsionar as exportações, afirmando que a prática é desleal e prejudica a sua balança comercial.

A desvalorização do yuan impõe um dilema para o governo Barack Obama, que vem apostando, nos últimos anos, numa diplomacia silenciosa para tentar dissuadir Pequim a liberalizar sua política monetária.

A última alteração no grupo de moedas incluídas na reserva monetária do FMI foi em 2000, quando o euro substituiu o franco francês e o marco alemão.

PV/rtr/afp/ap

Leia mais