China alavanca economia com investimentos em mercados externos | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 06.08.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

China alavanca economia com investimentos em mercados externos

Os recursos são direcionados de tal maneira que o país se beneficie mais rapidamente: matérias-primas e aquisição de marcas já estabelecidas internacionalmente são algumas das táticas chinesas.

default

Ganhos chineses no mercado externo crescem

A fabricante chinesa de carros Geely acaba de assumir a tradicional marca sueca Volvo. Os chineses pagaram 1,5 bilhão de dólares pela montadora, que estava sob controle da norte-americana Ford. Mas a aquisição da Volvo é apenas a mais recente na lista dos investimentos bilionários feitos pela China no exterior.

No caso da China, é válido analisar esse desenvolvimento sob uma perspectiva histórica. Há quase dois séculos, em 1820 – a dinastia Qing ainda estava em seu auge –, a participação chinesa no Produto Interno Bruto (PIB) global era superior a 30%, segundo cálculos da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico). Em 1978, antes do início da reforma chinesa e da abertura política, essa taxa era de apenas 5%.

Nesse ínterim, a China parece estar no melhor caminho para reconquistar sua posição como potência econômica. Nas últimas três décadas, o mundo viveu uma recuperação econômica sem precedentes, com um crescimento médio anual da China em torno dos 10%.

Presença no exterior

A trajetória do país o colocou entre os maiores exportadores mundiais. O superávit na balança comercial chinesa no ano passado foi de 200 bilhões de dólares. As reservas de divisas atingiam 2,4 trilhões de dólares no final de julho último, segundo o Bank of China, que age como Banco Central chinês.

Grande parte das divisas está investida em fundos públicos, especialmente dos Estados Unidos. Mas a China também usa essas reservas para fortalecer sua presença global. Em 2009, as empresas chinesas investiram aproximadamente 50 bilhões de dólares no exterior.

A crise financeira mundial fez com que os compradores em potencial aguardassem o melhor momento para fechar negócios mais baratos e rentáveis em longo prazo. E a China dá atenção especial à garantia de matéria-prima para suprir a demanda da sua economia em crescimento. No topo da lista chinesa de compras sempre estão empresas de petróleo e gás, seguidas por mineradoras.

A China está se mostrando criativa no que diz respeito a investimentos em países em desenvolvimento. Justamente na África, os negócios se calcam na troca entre desenvolvimento de infraestrutura por matéria-prima: a China constrói estradas, portos, linhas férreas e, com isso, obtém ferro, cobre e petróleo. Foi assim que os investimentos chineses na África, continente rico em matérias-primas, subiram 75% em 2008.

Geely Volvo Deal NO FLASH

Negócio fechado: chinesa Geely assume Volvo

Efeitos internos

Ao mesmo tempo, a China usa seus investimentos para desenvolver ainda mais a própria economia: para a China já não basta mais ser o centro de produção de empresas ocidentais. Os chineses querem agora lucrar com suas próprias marcas no mercado global.

Com produtos mais baratos, a China lidera o mercado em muitas áreas. Mas as marcas ocidentais ainda dominam segmentos de mercadorias mais caras, com qualidade superior e com margens atrativas de lucros. A consolidação de uma marca, no entanto, leva tempo. Por esse motivo, é melhor, e mais fácil, comprar uma marca. É com essa estratégia que a montadora chinesa Geely poderá, com a compra da Volvo, galgar posições junto à "classe premium".

A compra de empresas ocidentais também oferece a chance de aquisição de know-how tecnológico. E isso não se restringe à obtenção de patentes, mas também traz a possibilidade de os engenheiros ganharem e ampliarem sua excelência.

Outra vantagem dos investimentos no exterior: a exploração de mercados externos por meio de empresas e redes de serviços já estabelecidas. Voltando ao exemplo da Geely: com a aquisição da Volvo, a chinesa pode tirar proveito não apenas da rede de concessionárias, mas também da relação dos clientes de longa data.

Com sua estratégia de investimento, a China cria possibilidades para fabricar produtos a todos os mercados do mundo, e para todos os segmentos. Algumas empresas conseguirão dar o salto de qualidade. Por outro lado, uma grande quantidade de fabricantes de réplicas e produtos baratos de qualidade duvidosa deverá continuar tendo clientela suficiente.

Autor: Matthias von Hein (np)
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais