Chicks on Speed comemora 15 anos com exposição em Berlim | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 26.09.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Chicks on Speed comemora 15 anos com exposição em Berlim

Conhecida pelo seu electro divertido, a banda Chicks on Speed traz à cidade a exposição Cultural Workship Now!, que passeia pelo universo das artes plásticas, performances, instalações e moda.

default

Chicks on Speed mostra seu universo em Berlim

Dentro da onda electroclash, que invadiu as pistas no começo da década passada, o Chicks on Speed era sinônimo de uma festa divertida e colorida. Juntando atitude punk, sintetizadores e feminismo com performance e ironia, a banda conquistou notoriedade e gravou com artistas como Peaches e Le Tigre.

Mais conhecido por sua música, o Chicks on Speed é na verdade um coletivo. Pioneiro em juntar e explorar os limites entre arte, música, moda, tecnologia e performance, criando algo único e novo.

Chicks on Speed Kunstraum Kreuzberg Bethanien

O grupo começou a fazer música para seus videos e performances

Cultural Workship Now é a primeira exposição em grande escala do trabalho das Chicks on Speed na Alemanha. As obras abrangem o início da carreira, nos anos 90, até os dias de hoje.

Não tocamos guitarra

"Estudava arte nos Estados Unidos. Queria ver o mundo e acabei vindo estudar em Munique. Nesse período conheci Alex Murray e começamos o Chicks on Speed" disse Melissa Logan à Deutsche Welle. "Éramos jovens e empolgadas. Trabalhávamos em uma galeria. Éramos inquietas e diziam que parecíamos que tínhamos tomado speed. Daí surgiu o nome."

A dupla tinha uma noite de cabaré em um bar em Munique, onde as pessoas se reuniam e faziam performances. "Desde o começo, queríamos unir música, performance, arte e happenings", completou.

Chicks on Speed Kunstraum Kreuzberg Bethanien

O sapato guitarra é um dos destaques da mostra

O interesse em produzir música começou com a necessidade de criar a trilha sonora de seus vídeos e performances. "Desde o começo foi uma escolha consciente de fazer canções que funcionassem não só no contexto da arte, mas também no mundo da música".

A banda tomou forma depois da performance I wanna be a DJ, baby, onde sobre uma trilha pré-gravada elas destruíram discos em uma cabine de DJ. Para a peça, elas fizeram camisetas, uma fita demo e entrevistas falsas, como se fosse uma banda de verdade.

A festa nunca acaba

A exposição em Berlim não abriga apenas as obras coloridas e divertidas do coletivo, mas também é palco de performances e discussões relacionadas ao universo do Chicks on Speed. Para Melissa, os destaques da exposição são os vídeos, que muitas vezes integram ou complementam performances, e os instrumentos incomuns desenvolvidos pela dupla.

Chicks on Speed Kunstraum Kreuzberg Bethanien

Melissa Logan e Alex Murray do Chicks on Speed

"

Fizemos um sapato guitarra. Foi um trabalho muito difícil, pois, além do design, envolveu muita tecnologia. Outro destaque é um tear de fios condutores. Ambos podem ser tocados como instrumentos", disse a artista.

Para Melissa, o Brasil seria um ótimo lugar para mostrar a arte do grupo. "Estive lá no começo desse ano. Acho fascinante e um pouco difícil de entender um país tão grande e com uma cultura tão rica. As pessoas são extremamente simpáticas". O Brasil está sempre presente no DJ set das meninas. "Tocamos sempre CSS [Cansei de Ser Sexy] e um vídeo superdivertido da música The book is on the table", completou.

Sem lançar disco desde 2009, o grupo já tem várias faixas prontas. "Precisamos reunir tudo em um álbum em breve. Trabalhamos com o islandês Ragnar Kjaktansson, que canta em algumas das faixas. O material novo não tem nada de electro, é um pouco mais difícil e artístico". O grupo também está organizando uma exposição em Hong Kong para o começo do ano que vem. "Estamos fazendo sempre muitas coisas. Ainda estamos sob o efeito de speed", brinca Melissa.

Chicks on Speed - Cultural Workship Now está em cartaz no Kunstraum Bethanien Kreuzberg em Berlim até o dia 23 de outubro.

Texto: Marco Sanchez
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais