Chefs desenvolvem menu refinado para astronautas da ISS | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 09.02.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Chefs desenvolvem menu refinado para astronautas da ISS

Para alegrar o paladar dos astronautas da Agência Espacial Europeia, chefs europeus estrelados preparam cardápio refinado num projeto especial.

default

Estação Espacial Internacional

Famoso por servir personalidades e pelos refinados restaurantes que mantém em suas instalações na Floresta Negra, o hotel Traube Tonbach está prestes a ganhar reconhecimento por mais um feito: enviar pratos finos ao espaço. A empresa gastronômica vai trabalhar em conjunto com a Agência Espacial Europeia (ESA) para montar um refinado cardápio para astronautas.

Ao todo, cozinhas estreladas de seis países europeus, entre eles a Suíça, a Itália, a Espanha e a França, desenvolverão pratos que serão saboreados durante os vôos espaciais. "Escolhemos cozinheiros interessantes, que se dedicam à culinária regional", conta Heiner Finkbeiner, proprietário do Traube Tonbach.

A experiência não é exatamente nova. Em um projeto piloto, o astronauta belga Frank de Winne, que participou de uma missão entre maio e dezembro de 2009, teve a chance de saborear um menu desenvolvido pelo chef Harald Wohlfahrt, do Traube Tonbach: sopa de batata com manjerona, vitelo com legumes ao molho de vinagre balsâmico e, de sobremesa, compota de ameixa ao molho de anis-estrelado.

Importância psicológica

A ideia de aprimorar o cardápio oferecido no espaço partiu do astronauta alemão Ernst Messerschmidt. "Quando os astronautas se encontram depois de um trabalho pesado, eles querem comer algo gostoso", insinuou Messerschmidt.

O argumento do astronauta é atestado por Guillaume Weerts, da unidade da ESA em Colônia. Segundo Weerts, a alimentação é muito importante como amparo psicológico numa viagem ao espaço. "Quando os astronautas não comem bem, também não conseguem trabalhar direto", explica.

No entanto, o projeto não é tão simples: a comida precisa ter longa durabilidade, ser de fácil transporte e estar acondicionada em embalagens descartáveis que ocupem pouco espaço. Afinal, o alimento precisa ficar até um ano a bordo da estação espacial e o custo de transporte de 22 mil dólares por quilo é elevado.

Padrão europeu

Primeiramente, o menu gourmet deverá ser oferecido apenas como um programa especial de bônus da ESA, segundo o qual o viajante espacial poderia apreciar o prato especial uma vez por dia, em complemento às refeições tradicionais oferecidas por russos (conservas) e americanos (alimentos desidratados).

No futuro, é possível que a ESA assume completamente a tarefa de cuidar da alimentação da tripulação. "Seria muito importante para a difusão da cultura europeia", complementa Guillaume Weerts. Isso, no entanto, ainda é uma questão de custos.

NP/apn

Revisão: Rodrigo Rimon

Leia mais