1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Chefes da inteligência dos EUA defendem espionagem

Em audiência na Câmara, chefes da inteligência dizem que é crucial saber o que fazem e pensam líderes mundiais e dizem que informações sobre telefonemas na Europa foram coletadas por agências europeias.

default

O chefe da inteligência americana, James Clapper, na audiência do Comitê de Inteligência da Câmara

O principal diretor da inteligência dos EUA afirmou nesta terça-feira (29/10) que descobrir as intenções de líderes estrangeiros é e sempre foi um dos objetivos das agências de espionagem dos Estados Unidos e de outros países.

O diretor de Inteligência Nacional, James Clapper, declarou que é crucial saber se o que os líderes mundiais dizem coincide com o que eles fazem. A declaração foi dada durante uma audiência no Comitê de Inteligência da Câmara dos Representantes.

"Desde que eu comecei a trabalhar na inteligência, há 50 anos, as intenções dos chefes de Estado, em qualquer forma em que são expressas, estão na essência do que coletamos e analisamos", afirmou Clapper, que atualmente supervisiona 16 agências de inteligência dos EUA.

"É inestimável para nós saber de onde os países vêm, quais são suas políticas e qual impacto estas podem ter em nós, dentro de uma grande variedade de temas", acrescentou.

Ao ser perguntado se aliados também espionam os EUA, Clapper respondeu que sim, e adicionou que o monitoramento de líderes estrangeiros sempre esteve no cerne da espionagem internacional.

O diretor-geral da NSA, Keith Alexander (esq.), ao lado de James Clapper, durante seu pronunciamento ao Comitê de Inteligência da Câmara

O diretor-geral da NSA, Keith Alexander (esq.), ao lado de James Clapper, durante seu pronunciamento ao Comitê de Inteligência da Câmara

As operações de espionagem dos EUA estão sob fortes críticas após as denúncias de que a Agência de Segurança Nacional (NSA) teria monitorado as comunicações de 35 líderes mundiais. Entre eles estariam a chanceler federal alemã, Angela Merkel, e a presidente Dilma Rousseff.

As revelações, com base em documentos vazados pelo ex-analista da NSA Edward Snowden, foram recebidas com indignação na Europa, apesar de os EUA até agora não terem confirmado se Merkel seria ou não um dos alvos da espionagem. Também não foi esclarecido até que ponto o presidente Barack Obama saberia dessas práticas da NSA.

O presidente do Comitê de Inteligência da Câmara, Mike Rogers, evitou fazer perguntas específicas sobre as denúncias mais recentes. Rogers perguntou a Clapper se a melhor maneira de obter informações sobre os planos de um chefe de Estado é se aproximar dele ou obter acesso às suas comunicações. A resposta foi sim.

Espionagem feita por aliados

O diretor-geral da NSA, general Keith Alexander, também foi ouvido pelo comitê. Ele assegurou que as denúncias de que a sua agência teria coletado informações de milhões de ligações telefônicas em toda a Europa seriam completamente falsas.

Segundo ele, os dados apresentados nas denúncias, feitas pela imprensa europeia, não foram coletados pela NSA, mas por aliados estrangeiros. Alexander afirmou que jornalistas teriam interpretado erroneamente algumas das informações vazadas à imprensa. "Eles, assim como a pessoa que vazou os dados, não entenderam o que estavam analisando", disse.

"Essas não são informações que nós coletamos sobre cidadãos europeus. São informações que nós e nossos aliados da Otan coletamos conjuntamente para a defesa de nossos países e em apoio a nossas operações militares", explicou o general.

O presidente americano Barack Obama considera proibir a espionagem de líderes aliados

O presidente americano Barack Obama considera proibir a espionagem a líderes aliados

As denúncias foram feitas por jornais da França, da Espanha e da Itália. A promotoria pública da Espanha anunciou nesta terça-feira que abriu um inquérito preliminar para determinar se a vigilância da NSA cometeu de fato algum crime.

Também o diário americano Wall Street Journal afirma que agências de inteligência da França e da Espanha espionaram os cidadãos desses países e repassaram os dados para a NSA. Se confirmadas, essas denúncias poderão causar grande constrangimento aos países europeus que protestaram com veemência contra a suposta espionagem aos dados pessoais de seus cidadãos.

Rara concordância

A audiência desta terça-feira ocorreu num momento em que diversas revisões dos programas da NSA estão sendo ordenadas pela Casa Branca e pelo Congresso. Horas antes, o governo dos EUA já havia anunciado que Obama havia ordenado uma ampla revisão das práticas de vigilância do país, e que mudanças estariam sendo consideradas.

Um alto oficial do governo afirmou que Obama estaria até mesmo considerando banir o monitoramento de conversas telefônicas dos líderes de países aliados por parte das agências de espionagem americanas.

Nesta terça-feira, em rara concordância, o líder do governo no Senado, Harry Reid (do Partido Democrata), e o presidente da Câmara, John Boehner (Partido Republicano), concordaram que chegou a hora de realizar uma revisão minuciosa das atividades da NSA.

RC/afp/rtr/ap/lusa

Leia mais