1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Chefe da Otan permanece à frente da organização até 2014

Anders Fogh Rasmussen teve mandato como chefe da aliança militar estendido por um ano além do previsto. Um de seus principais objetivos é supervisionar o processo de retirada das tropas estrangeiras do Afeganistão.

default

Anders fogh Rasmussen

Embaixadores dos 28 Estados que compõem a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) decidiram, nesta quarta-feira (03/10), estender o mandato do atual chefe da aliança militar por um ano, até julho de 2014.

"Os países aliados apoiam o secretário-geral, Anders Fogh Rasmussen, em seu trabalho dedicado para desempenhar as tarefas, missões e objetivos da Otan", disseram os embaixadores em comunicado oficial.

O ex-primeiro-ministro dinamarquês, de 59 anos, assumiu a chefia da Otan em agosto de 2009, como sucessor de Jaap de Hoop Scheffer. O mandato de Rasmussen estava previsto para terminar em julho de 2013.

"Sinto-me honrado com a confiança e o apoio demonstrados pelos governos aliados", disse o líder da Otan a jornalistas em Bruxelas. "Recebi o privilégio de liderar a aliança em tempos desafiadores. Esta é uma grande responsabilidade, e eu estou determinado a fazer jus a ela."

Rasmussen citou o desenvolvimento do sistema europeu de defesa antimíssil e a missão da aliança para proteger civis da Líbia como destaques de seu mandato até agora. Ambos os esforços estão também entre os mais controversos da Otan, por colocarem a aliança ocidental contra a Rússia e outros países. O dinamarquês também iniciou amplas reformas para a modernização da Otan.

Tradicionalmente, os chefes da organização são nomeados para um mandato de quatro anos, com a possibilidade de prolongá-lo por um ano. A prorrogação do mandato de Rasmussen vai permitir que ele continue supervisionando os trabalhos para retirada das tropas estrangeiras do Afeganistão, programada para o final de 2014.

Rasmussen negou suposições de que uma mudança na liderança da Otan antes da completa retirada das tropas poderia prejudicar o processo. "O dia 1º de agosto de 2014 é uma data apropriada para mudar a liderança, pois o novo secretário-geral poderá supervisionar a implementação da nova missão (de treinamento) que vamos estabelecer no Afeganistão a partir de 2015. O cronograma se encaixa muito bem nos planos gerais", disse.

FF/dpa/ap/rtr
Revisão: Luisa Frey