Chaveiro diz que porta do apartamento de promotor estava aberta | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 21.01.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Chaveiro diz que porta do apartamento de promotor estava aberta

"Simplesmente empurrei a chave e entrei em dois minutos. Qualquer um poderia tê-lo feito", afirma. Investigadores encontram terceiro acesso ao apartamento de Nisman.

Novas dúvidas sobre as circunstâncias da morte do promotor Alberto Nisman – que havia denunciado a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, e outros políticos ligados ao governo por conspiração criminosa – surgiram nesta quarta-feira (21/01). A investigação descobriu que o apartamento onde ele foi encontrado morto não estava completamente trancado e que há uma terceira entrada.

O chaveiro, que foi chamado para abrir a porta de serviço da residência, disse que ela não estava fechada. "A porta de serviço estava aberta. Simplesmente empurrei a chave e entrei em dois minutos. Qualquer um poderia tê-lo feito", afirmou o chaveiro, identificado apenas como Walter, após prestar depoimento à promotora que investiga a morte de Nisman, Viviana Fein. "Se alguém entrou ou não, eu não sei", completou. Ele disse que a mãe do promotor estava junto e viu tudo.

Na segunda-feira, os investigadores haviam declarado que a porta estava trancada e a chave, do lado de dentro.

E, segundo noticiou a agência de notícias Telam nesta quarta-feira, os investigadores teriam encontrado um terceiro acesso ao apartamento, uma passagem estreita que contém equipamentos de ar-condicionado e está conectada a um apartamento vizinho. Eles estariam investigando uma pegada aparentemente recente encontrada no interior da residência de Nisman.

Na terça-feira, a perícia havia divulgado não ter encontrado vestígios de pólvora nas mãos do promotor. Um dia antes, a autópsia revelou que não houve participação de terceiros na morte de Nisman. Além disso, a família de Nisman afirma que ele deixou uma lista de compras de alimentos e material de limpeza para que a empregada fosse ao supermercado na segunda-feira.

Bombenanschlag auf das AMIA-Gebäude 18. Juli 1994 in Buenos Aires

Atentado contra a Associação Mutual Israelita Argentina (Amia), em Buenos Aires, deixou 85 mortos e centenas de feridos, em 1994

Já o governo argentino declarou, também nesta quarta, que Nisman havia sido enganado por um ex-agente do serviço de inteligência na preparação de sua denúncia. "Não há uma única coisa que tenha base", disse o secretário-geral da Presidência, Aníbal Fernández. A denúncia, na qual o promotor havia trabalhado meses, foi divulgada na íntegra pela Justiça argentina, nesta quarta.

Nisman, que investigava o atentado a um centro judaico ocorrido em 1994, apresentaria detalhes da denúncia no Congresso argentino na segunda-feira. Ele acusou a presidente e o ministro das Relações Exteriores, Héctor Timerman, de terem encoberto a participação de iranianos no ataque terrorista contra a Associação Mútua Israelense Argentina (Amia) deixou 85 mortos e centenas de feridos.

Trata-se do atentado mais grave da história da Argentina. Foi o segundo contra uma instituição judaica no país, após o atentado contra a embaixada de Israel, em 1992, que deixou 29 mortos.

O promotor tinha solicitado que Kirchner, assim como Timerman e outros políticos, fosse chamada a depor perante a Justiça. Ele também pediu um embargo preventivo de bens no valor de 23,3 milhões de dólares.

Segundo Nisman, o governo tentou inocentar os acusados iranianos com o objetivo de restabelecer as relações diplomáticas e comerciais entre Buenos Aires e Teerã. A Argentina pretendia trocar petróleo por grãos e vender armas ao Irã, afirmou o promotor. A acusação, feita na última quarta-feira, abalou o ambiente político na Argentina.

PV/dpa/rtr/ap

Leia mais