″Charlie Hebdo″ se solidariza com ″Der Spiegel″ | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 09.02.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

"Charlie Hebdo" se solidariza com "Der Spiegel"

Edição alemã do semanário satírico recria polêmica capa da revista, mas, em vez de Trump e Estátua da Liberdade, usa Merkel e seu adversário na campanha eleitoral, Martin Schulz.

Atual capa do semanário Charlie Hebdo

Atual capa do semanário "Charlie Hebdo"

Com uma capa inspirada em outra que causou alvoroço na Alemanha, a versão alemã do semanário satírico francês Charlie Hebdo publicou nesta quinta-feira (09/02) o que chamou de uma mensagem de solidariedade à revista alemã Der Spiegel, que sofreu críticas por uma polêmica ilustração de capa com o presidente dos EUA, Donald Trump.

A atual capa da Charlie Hebdo mostra um desenho da chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel, segurando com uma mão uma faca ensanguentada e, com a outra, a cabeça de Martin Schulz, seu adversário do Partido Social-Democrata (SPD) na próxima eleição. Ao lado, a manchete "Leitores da Spiegel estão fora de controle".

De acordo com a editora-chefe da edição alemã, que por questões de segurança usa o pseudônimo Minka Schneider, apoiar-se na polêmica ilustração foi um ato de respeito aos profissionais da Spiegel. "O que mais nos chocou foi a recepção negativa. Achamos a capa muito boa", disse.

Capa da Der Spiegel causou polêmica

Capa da "Der Spiegel" causou polêmica

Em editorial, o Charlie Hebdo afirma saber muito bem o que é ser acusado de violar as regras do bom jornalismo. "Assim, estamos agora no mesmo barco, pois, no centro da polêmica, tanto no caso de vocês como no nosso, está o debate sobre liberdade de opinião e como ela é usada. Ou não", destacou o semanário.

No sábado passado, a Spiegel foi alvo de críticas depois de publicar uma ilustração de capa que retrata Trump decapitando a Estátua da Liberdade, ao lado do slogan America first (Os EUA em primeiro lugar).

O editor-chefe da revista, Klaus Brinkbäumer, defendeu a capa e se disse surpreso com o impacto da ilustração. "É sobre democracia, sobre liberdade, liberdade de imprensa, liberdade da Justiça. Tudo isso está gravemente ameaçado", afirmou. "Então estamos defendendo a democracia. Estes são tempos difíceis? Sim, são."

A versão alemã da Charlie Hebdo foi lançada em novembro e é a primeira edição em idioma estrangeiro do semanário satírico francês, cuja redação sofreu um atentado, em janeiro de 2015, que deixou 17 mortos.

CN/dpa/dw

Leia mais