1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

"Charlie Hebdo" não fará mais caricaturas de Maomé

Laurent Sourisseau, editor do semanário satírico, diz a revista alemã que agora é a vez de outros fazerem esse trabalho. Declaração é dada seis meses após atentado.

Seis meses após o

atentando à redação

do semanário Charlie Hebdo, o editor-chefe da publicação, Laurent Sourisseau, de 48 anos, afirmou que não pretende mais fazer caricaturas de Maomé.

"Nós desenhamos o Maomé para defender o princípio de que se pode desenhar tudo o que quisermos", disse Sourisseau na quarta-feira (15/07) à revista alemã Stern.

O editor afirmou também que a redação não fez as caricaturas do profeta muçulmano por interesses próprios, mas para a sociedade francesa.

"É um pouco estranho. Esperam de nós uma prática de liberdade, que, na verdade, ninguém se atreve mais. Nós fizemos nosso trabalho. Nós temos o direito de defender as caricaturas. Agora a vez é dos outros", ressaltou o caricaturista, que assumiu a coordenação da revista após a morte no atentando do então editor-chefe, Stéphane Charbonnier.

Na entrevista, o editor falou também sobre o atentando. Ele contou que ninguém na redação mudou a forma de trabalho e começou a se censurar. "Nós acreditamos ainda que nós temos o direito de criticar todas as religiões", disse.

No dia do atentando, Sourisseau também estava sentado à mesa da reunião e levou um tiro no ombro. "No fim de tudo não se ouvia um som", contou. "E eu entendi que a maioria estava morta."

CN/epd/kna

Leia mais