1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Cerca de 1,5 bilhão de pessoas estão em situação trabalhista vulnerável, diz OIT

Número corresponde a mais da metade dos trabalhadores do mundo em desenvolvimento. Por outro lado, renda per capita aumentou nestes países nas últimas décadas.

Mais da metade dos trabalhadores dos países em desenvolvimento — cerca de 1,5 bilhão de pessoas — encontra-se em situação trabalhista vulnerável, ganhando pouco, sem contrato ou acesso a direitos trabalhistas, segundo relatório divulgado pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) nesta terça-feira (27/05).

As estatísticas reunidas pela agência da ONU também mostram que cerca de 840 milhões destes trabalhadores recebem menos de 2 dólares por dia — valor que os coloca abaixo da linha da pobreza. O número, no entanto, é menor do que o registrado no início dos anos 2000.

No contexto mundial, a pesquisa revelou que, desde o início da crise financeira global, em 2007, 30,6 milhões de pessoas entraram para o grupo de desempregados. Em 2013, o desemprego atingiu a marca de 199,8 milhões de pessoas no mundo — e deve chegar a 213 milhões em 2019.

A taxa de desemprego mundial – que tem se mantido em torno de 6% da população economicamente ativa – deve permanecer estável até 2017, prevê a OIT.

Melhorias nas últimas décadas

Por outro lado, o relatório também mostra uma melhoria na renda per capita dos países em desenvolvimento nas últimas décadas. Entre 1980 e 2011, a renda per capita em países como Senegal, Vietnã e Tunísia, cresceu, em média, 3,3% ao ano – número muito superior ao aumento de 1,8% registrado nas economias desenvolvidas.

"Os países em desenvolvimento passam, em geral, por um processo de recuperação do atraso em relação a economias avançadas", afirmou o diretor geral da OIT, Guy Ryder.

Atualmente, nestes países, mais de quatro em cada dez trabalhadores se encontram na chamada "classe média em desenvolvimento" — ou seja, ganham mais de 4 dólares por dia. De acordo com a OIT, há duas décadas, o número não passava de dois em cada dez trabalhadores.

A OIT concluiu ainda que os países que investiram na criação de empregos de qualidade e em tirar os trabalhadores de uma situação vulnerável resistiram à crise financeira global muito melhor do que aqueles que não o fizeram.

Impacto sobre processos migratórios

Segundo a OIT, a crise econômica afetou as condições de trabalho em todos os lugares. "Muitos países em desenvolvimento, principalmente na América Latina e na Ásia, estão fazendo esforços para combater as desigualdades e melhorar a qualidade do emprego e a proteção social", afirma o principal autor do relatório, Moazam Mahmood. "Por outro lado, uma série de economias desenvolvidas, especialmente na Europa, parece estar indo na direção oposta."

A crise e as oportunidades de trabalho também impactaram os fluxos migratórios. Segundo o relatório, cerca de 231,5 milhões de pessoas estavam vivendo fora de seu país natal em 2013. Destes imigrantes, 51% estavam na Europa, que continua sendo, de longe, o destino mais procurado. Mas, desde o início da crise financeira mundial, as migrações entre países em desenvolvimento têm aumentado.

BWS/afp/epd

Leia mais