Centro de defesa cibernética entra em funcionamento na Alemanha | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 01.04.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Centro de defesa cibernética entra em funcionamento na Alemanha

Dez especialistas em segurança de computadores têm como principal tarefa reconhecer e avaliar ataques cibernéticos contra empresas e cidadãos, bem como desenvolver estratégias de defesa.

default

Ciberataques são uma das maiores ameaças aos governos

A região sul de Bonn, antiga capital da Alemanha, é muito calma. O cantar dos pássaros só é abafado pelo ruído dos carros que transitam ocasionalmente. Casarões centenários ladeiam as ruas. Como um corpo estranho, ergue-se nesta paisagem idílica um prédio funcional dos anos 1970 rodeado por altas cercas.

O prédio pertence ao Departamento para Segurança na Tecnologia de Informação (BSI) da Alemanha. A partir desta sexta-feira (01/04), dez funcionários do recém-criado centro de defesa cibernética estarão sentados em frente a seus computadores em algum lugar do edifício.

Ciberataques não faltam

Bundesamt für Sicherheit in der Informationstechnik BSI

Sede do BSI, em Bonn

O centro é a principal peça da estratégia de segurança cibernética apresentada em fevereiro passado pelo governo alemão. Além de funcionários do BSI, também membros do Departamento Federal de Proteção à Constituição e do Departamento Federal de Defesa contra Catástrofes fazem parte do novo centro. Sua tarefa é o reconhecimento e a avaliação de ataques, como também o desenvolvimento de estratégias de defesa.

Ciberataques não faltam no país. Na 47ª Conferência de Segurança de Munique, no começo de fevereiro, a premiê alemã, Angela Merkel, afirmou que a ciberguerra seria tão perigosa quanto uma guerra convencional. Thomas de Maizière, então ministro alemão do Interior e responsável pela cibersegurança, descreveu a extensão da ameaça: "A cada dois segundos há um ataque à internet na Alemanha. Quatro ou cinco vezes ao dia acontecem ataques à rede do governo, os quais as nossas autoridades acreditam serem provenientes de serviços estrangeiros de inteligência".

Estratégia alemã de cibersegurança

A ameaça que vem do ciberespaço já é tema de discussão na opinião pública e entre políticos, também em nível internacional. No ano passado, o Cibercomando dos Estados Unidos iniciou seus trabalhos. Em sua nova estratégia aprovada em novembro, a Otan classifica os ciberataques como uma das três maiores ameaças de época atual, ao lado do terrorismo e das armas de destruição em massa.

E a sabotagem do programa de enriquecimento de urânio do Irã pelo worm Stuxnet mostrou ao mundo todo que sofisticados programas maliciosos podem penetrar na infraestrutura do adversário como mísseis digitais. Com sua estratégia de cibersegurança, o governo alemão começou a enfrentar essa ameaça.

O filósofo alemão de tecnologia Sandro Gaycken vê um novo nível nos ataques dos hackers. Afinal de contas, hoje os próprios governos mantêm agora tropas inteiras de hackers. "Naturalmente, esses são muito mais bem equipados e muito mais poderosos do que um hacker comum."

Invadido computador de premiê australiana

O quão correto o filósofo da tecnologia está com sua avaliação pôde ser demonstrado nesta terça-feira (29/3) na Austrália. Lá foi anunciado que o computador da primeira-ministra, Julia Gillard, havia sido invadido por hackers – da mesma forma que os computadores de dez ministros de seu governo. Pelo menos durante um mês, a correspondência eletrônica das lideranças governamentais australianas foi interceptada.

Cyber Soldat bei der Arbeit

Cibersoldado da Otan

E, na semana passada, a Comissão Europeia também anunciou ter sido vítima de um forte ciberataque. Em reação, foi bloqueado o acesso externo ao serviços de e-mails, como também à rede interna da Comissão. Todos os funcionários foram instruídos a alterarem suas senhas.

O ataque aconteceu às vésperas de um encontro de cúpula, no qual questões importantes foram debatidas, como a futura estrutura da União Europeia, o fundo de resgate do euro e a guerra na Líbia

Prejuízos econômicos

Como parte da estratégia de cibersegurança do governo alemão, a força-tarefa "Segurança em TI na economia" iniciou seus trabalhos nesta terça-feira. A preocupação do ministro alemão da Economia, Rainer Brüderle, não é somente com os segredos internos de grandes firmas. Ele também se preocupa com as pequenas e médias empresas.

Segundo o ministro, muitas delas não reconheceram ainda os perigos que podem vir da internet. Brüderle avalia que os prejuízos através da espionagem comercial por ciberataques podem chegar, devido à grande quantidade de casos não reportados, a uma quantia de dezenas de bilhões.

Autor: Matthias von Hein (ca)
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais