1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Sua Opinião

CASO YUKOS

Nossos leitores comentam esta semana: caso da empresa petrolífera Yukos, ciclismo no Brasil, produtos brasileiros na Europa, fitness, literatura e dificuldades de tradução, meio ambiente e altar de Pérgamo.

default

Central da Yukos em Moscou

Este caso da petrolífera Yukos evidencia a constante má-fé com que a imprensa ocidental trata todos os assuntos referentes à Rússia.
Neste caso, novamente tentam nos mostrar o "Império do Mal" encurralando impiedosamente um 'honesto' e comum empresário... E eu pensava que a Guerra Fria já tinha terminado... E eu pensava que não fosse inerente ao Estado Democrático de Direito um país cobrar na Justiça seus impostos...
O fato é que, como advogado, nem precisaria ver estes Autos para poder dizer que o Khodorkovsky lesou o Estado. A própria imprensa e a simples lógica dos fatos sempre nos levaram a crer que os "oligarcas" fizeram suas fortunas à custa do Estado, compraram a preço de banana grandes e importantes empresas, no vergonhoso processo de privatizações (que eu até entendo natural para os governantes russos terem vendido a preços tão vis suas empresas, pois vinham de uma mentalidade de 70 anos de economia planificada, não tinham uma cultura capitalista e uma verdadeira noção do valor real de seus bens). Então é público e notório que esses oligarcas construíram suas fortunas de forma desleal.
E outra coisa interessante é que a própria imprensa russa e ocidental não poupava críticas a Boris Yeltsin em virtude de sua complacência, omissão e inação para com os oligarcas (Berezovsky, Gussinsky, etc.), dizendo "que não controlava o país", que eram "os oligarcas que mandavam", etc...
E agora criticam Putin por colocar ordem na casa!!! Ou acham que esses "empresários" não lesaram o Estado russo? Acham que Putin (como se não houvesse a separação dos poderes) precisaria fazer todo esse estardalhaço "com receio dos planos políticos de Khodorkovsky"...
Ora, quer queiram ou não, a popularidade de Vladimir Putin é cada vez maior, e o Khodorkovsky, em qualquer que fosse o cenário, seria facilmente derrotado por Putin. Então, a que interessaria ao Kremlin promover toda essa celeuma?
Claro que estão no direito legítimo de receber seus impostos. E para o Ocidente pode não ser muito, mas para a Rússia, 3,5 bilhões de dólares em impostos atrasados é muita coisa!
E também não deve ser muito para o Sr. Khodorkovsky, tendo em vista que sua fortuna pessoal é estimada em cerca de 15 bilhões de dólares.
Miguel Galante Rollo

Acredito que, ao confiscar os bens de alguém que acumulou tanta riqueza com fraudes, sonegação e roubo através da evasão destes mesmos bens, o governo russo quer demonstrar a sua preocupação em fazer justiça com os menos favorecidos e que pagam seus impostos com sacrifício, mas que honram seus compromissos. Concordo que este é um assunto que já está resolvido, e sem violação de direitos, pois quando tiramos o que não é nosso por direito, estamos abdicando dos mesmos. Parabenizo mais uma vez o Sr.Gerhard Schröder por sua inteligência e diplomacia sempre corretas.
M. Aparecida Neubaner Luiz

CICLISMO
Sim, eu curto ciclismo. Já competi aqui no Brasil até o meu tempo de Faculdade. Tive que abandonar o esporte devido às dificuldades de conciliar trabalho e estudos. A Volta da França é para mim um retrato do que temos de melhor no ciclismo mundial.
Bismarck Bandeira

Eu acredito muito no ciclismo brasileiro, onde muitos meninos, jovens e veteranos são apaixonados pelo esporte. Na minha opinião aqui no Brasil faltam três coisas: mídia, preço dos produtos e peças, incentivo ao ciclismo.
- A mídia não evidenciando o esporte , não favorece eventuais patrocinadores;
- devido à desvalorização da nossa moeda perante a americana e o euro, sendo que produtos e peças de qualidade são precificados por estas moedas;
- o incentivo do governo para o esporte, sendo que o que se destina é muito pouco para os esportes em geral....
John Confessor

PRODUTOS BRASILEIROS NA EUROPA
Acho que sim, o sapato brasileiro tem tudo para conquistar o mercado cá fora. Sou portuguesa e resido em Londres há oito anos. Ano passado passei seis meses no Brasil e fiquei encantada com o calçado para crianças, visto que tenho uma filha de 4 anos.O que está faltando no mercado daqui é a novidade, a cor, algo divertido que a criança conheça e se identifique. No Brasil você tem o Seninha, a Xuxa, Lilica, Turma da Mônica, etc. Quando a criança entra na loja, já vai direto no que quer. Aqui você não tem nada disso. Desde então, estou interessada em trazer esses produtos para Londres.
Monica Moniz

FITNESS E SAÚDE
Não freqüento academia, mas faço exercícios regularmente.
Penso que devemos valorizar nossa saúde praticando exercícios, como forma de manter o bem-estar e não apenas para ficar em forma.
A atividade física, além da boa alimentação, proporciona um corpo definido e musculoso, mas também devemos enxergar os outros benefícios dela para a circulação do sangue, o fortalecimento do músculo cardíaco, o bom funcionamento intestinal... enfim, todos os fatores que possam diminuir os riscos à saúde.
Como sempre, quando existe um grande número de pessoas com um interesse em comum, a prática mercantil vislumbra essa oportunidade e, nesse caso, a torna num negócio bilionário.
Mas o final disso resulta numa melhor qualidade de vida.
Ivan de Castro

LITERATURA — TRADUÇÃO DE POEMAS
Em um trabalho desenvolvido na PUC de Minas Gerais (Brasil), tive a oportunidade de analisar e comparar um poema de Carlos Drummond de Andrade, "Poema de Sete Faces", que fora traduzido para a lingua inglesa por Elizabeth Bishop. Neste trabalho acadêmico, chegamos à conclusão de que, apesar de a tradutora ter vivido no Brasil por longos anos, cabe ao tradutor um conhecimento pleno da cultura na qual está inserida a obra, pois estará traduzindo uma cultura para outra. Os hábitos serão passados como a representação de um povo. Sendo assim, Elizabeth Bishop não conseguiu manter a fidelidade de uma das obras mais conhecidas de Drummond, inserindo modificações de rimas, adaptações metafóricas, perda de sonoridade, enfim, deixando de mostrar a beleza da criação de seu autor, que teve o propósito, através da rima e do humor, de desmascarar um momento na realidade brasileira, apropriando-se de sua língua pátria.
No questionamento no qual me permito opinar, sobre a transformação da obra literária ao passar por um processo de tradução, no caso de "Lavoura Arcaica", penso que se a obra for traduzida por um tradutor que pertence à cultura na qual foi escrita esta obra, será mantida a fidelidade e sentimento, através do profundo conhecimento desta cultura, e o trabalho não perde o propósito dado pelo autor.
Lucilane Carazza — Belo Horizonte

Hermann Hesse dispensa comentários!! Sem sombras de dúvidas é o meu autor preferido!! Sidarta realmente deu um sentido maior a minha vida!! E desde então comecei a adquirir e ler todos o livros de Hermann Hesse!! Depois de ler um pouco mais de sua biografia me identifiquei profundamento com o autor e seu interesse pela psicologia de Carl Gustav Jung!!
Paulo Pinto de Moura Junior

MEIO AMBIENTE
Eu acho que este comércio não somente faz sentido como é a solução dos problemas ambientais globais. No caso da Amazônia, sabemos que a sua preservação "in natura" tem um alto custo para o país, e que, mesmo assim, não estamos conseguindo evitar a sua destruição acelerada.
A seguir o exemplo de G.Bush, poderiamos optar por um benefício a curto prazo com a exploração de toda a madeira e recursos minerais da Amazônia para custear investimentos sociais. Seria uma decisão soberana, embora sabemos, não sustentável.
Se o Brasil pudesse vender os direitos de "não uso" da Amazônia, mediante contratos internacionais privados ou governamentais, os recursos arrecadados (a um bom preço adequado) poderiam ser utilizados pelo governo para comprar as terras que estão em mãos privadas. Uma vez compradas as terras, a renda anual arrecadada pela venda dos "direitos de não uso" poderia ser investida nos estados amazônicos para o desenvolvimento social e outras formas de desenvolvimento mais sustentável.
Isto não significa que o país vá perder a soberania da Amazônia; simplesmente, é uma forma de os países financiarem o "custo de oportunidade" de preservar a Amazônia. Se as funções ambientais da selva são de interesse mundial, é justo que os países paguem pela sua preservação.
Prof. Dr. Paulo Roberto Armanini Tagliani

MUSEU DE PÉRGAMO
Tive recentemente a oportunidade de visitar em Berlim muitos museus, mas o de Pérgamo é extraordinário. Nunca pensei existir uma obra desse nível no mundo. Juro que ainda voltarei a visitar aquele museu. O fato de se poder conhecer as obras mais detalhadas através do head fone em várias línguas foi uma idéia muito boa. Embora o que se veja dispense quaisquer comentários. As estátuas gregas, os muros da Babilônia, os tapetes e as construções assírias, enfim tudo fala a nossa alma como se o passado fosse mais belo e a arte fosse mais arte que hoje.
Yara Falcon Lins