Caso Strauss-Kahn pode ter reviravolta em Nova York | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 01.07.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Caso Strauss-Kahn pode ter reviravolta em Nova York

Um mês e meio após ser detido por tentativa de estupro, ex-diretor do FMI se apresentará em tribunal. Segundo jornal "The New York Times", procurador-geral de Nova York questiona a credibilidade da suposta vítima.

default

Dominique Strauss-Kahn diante do tribunal, em junho

O ex-diretor geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, se apresenta nesta sexta-feira (01/07) ao juiz do Supremo Tribunal estatal de Nova York, Michael Obus, por volta das 11h30 locais (12h30 no horário de Brasília).

Strauss-Kahn é acusado de abuso sexual e tentativa de violação de uma camareira de hotel. Um porta-voz do gabinete do Procurador de Nova York, Cyrus Vance, se recusou a adiantar o motivo pelo qual o acusado comparecerá em tribunal.

O ex-diretor do FMI está em prisão domiciliar desde 21 de maio, sendo obrigado a utilizar uma pulseira eletrônica. Ele é vigiado 24 horas por guardas armados e um sistema de videovigilância, o qual tem de pagar do próprio bolso e cujos custos chegam a mais de 200 mil dólares por mês. Os advogados de Strauss-Kahn, cuja próxima audiência estava prevista para 18 de julho, querem que o magistrado reconsidere as condições de sua prisão domiciliar por as considerarem "restritivas", segundo o jornal The New York Times (NYT).

O jornal afirma ainda que o procurador-geral de Nova York questionou a credibilidade da suposta vítima, uma empregada de um hotel de luxo de Manhattan em que Strauss-Kahn ficou hospedado. Segundo os promotores, a camareira de 32 anos, nativa da República da Guiné, teria mentido repetidamente desde o alegado incidente em 14 de maio.

A funcionária teria levantado suspeita por conta de um pedido de asilo e também por estar possivelmente envolvida em atividades criminosas, como tráfico de drogas e lavagem de dinheiro. Além disso, nos últimos dois anos, a camareira teria recebido cerca de 100 mil dólares de "vários indivíduos", informou o NYT.

Sete crimes

Strauss-Kahn foi detido no mesmo dia do suposto incidente, ao se preparar para embarcar para Paris no Aeroporto Internacional John F. Kennedy. No dia 6 de Junho, o político declarou-se inocente dos sete crimes de que foi acusado por abuso sexual e tentativa de estupro da camareira de hotel.

Benjamin Brafman e outros advogados tentarão provar a inocência do ex-diretor do FMI, que, se for declarado culpado, terá de enfrentar uma pena de três a 25 anos por cada crime, de acordo com a sua gravidade.

Aos 62 anos, o político francês vive numa casa luxuosa no sul de Nova York. A propriedade avaliada em 14 milhões de dólares, é alugada por mais de 50 mil dólares por mês, após ter sido paga uma caução de 6 milhões de dólares.

LF/lusa/afp
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais