1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Sua Opinião

CARROS POTENTES E MEIO AMBIENTE

Meio ambiente, aquecimento global, Günter Grass, Vale do Rio Doce, Brasil e globalização foram os temas comentados esta semana por nossos usuários. Vale a pena ler. Clique aqui!

default

MB C 220

A Alemanha é o país que hospeda as montadoras de automóveis com maior prestígio mundial. É natural que os alemães comprem veículos com maior potência, já que possuem poder aquisitivo elevado e desfrutam, em geral, de meios de pagamento que facilitam a aquisição desses automóveis.
A grande opção, a curto prazo, para este país seria adotar leis que impedissem o consumo de diesel por parte de veículos de alta potência. Os consumidores devem se conscientizar de que carros como o Porsche Cayman consomem mais combustível, e a melhor forma de economizar não é adquirindo uma versão diesel, e sim não adquirir versão nenhuma. Quem está disposto a gastar a quantia que a Porsche cobra pelos seus veículos também deveria estar disposto a gastar a quantia necessária para o seu abastecimento.
O diesel é, para o meio ambiente, a pior opção em termos de combustível automotivo. Acredito que, a longo prazo, a melhor opção é o desenvolvimento de plantas de produção de hidrogênio, e de seu sistema de distribuição. Com isso, os veículos de alta potência não seriam prejudicados, pelo contrário, uma vez que a octanagem do hidrogênio é muito superior à do diesel ou mesmo à da gasolina, e o subproduto de sua queima é o vapor de água. O meio ambiente agradeceria esta mudança, e os motoristas também.
Maurício da Costa Loureiro Martins

Acho certíssima a idéia do ministro Wolfgang Tiefensee de que os impostos sobre veículos devem ser calculados não só só pela potência dos motores mas também pelo grau de emissão de gases poluentes. Isso seria realmente justo. Quem polue mais deve pagar mais.
Carlos Almeida

CO2 E AQUECIMENTO GLOBAL

Temos argumentos contundentes para discordar de que o CO2 resultado da queima de petróleo é o responsável pelo aquecimento global. Não é! Esta idéia é uma propaganda enganosa! Para quem desconhece o assunto, que é geológico, saiba que o CO2 na atmosfera atual é de apenas 0,032% e que este percentual foi muito grande nos primórdios do planeta. A história da evolução do planeta e da variação da composição química da atmosfera precisa ser contada corretamente e dentro de parâmetros científicos.
Somos a Civilização do Petróleo e dele dependemos para ter uma vida dígna aqui neste planeta, onde temos muito petróleo ainda e só precisamos de mapas geológicos novos para localizá-lo, pois os que existem estão obsoletos. Queremos dizer com isso que precisamos substituir os velhos paradigmas por novos, sendo o principal deles: o petróleo é fonte inesgotável de energia e está sendo formado todos os dias, generosamente, pelo planeta, enquanto existir matéria orgânica sobre a superfície da Terra.
Marly Rangel

GÜNTER GRASS E SEU PASSADO NAZISTA

Este tipo de hipocrisia não deixa o passado morrer. Sim, ele foi soldado durante a guerra, e daí?! “Trocentos” alemães também o foram. Hoje ele é um humanista e não um monstro com ares de boa gente e é isto o que realmente importa!
Arthur Dolabane

VALE DO RIO DOCE

Acho que a Vale do Rio Doce tem que ser reestatizada, sim! Onde já se viu uma empresa tão lucrativa como esta ser privatizada? E onde foi parar o dinheiro das privatizações? Só no Brasil mesmo para isso acontecer e a populaçao não se manifestar contrariamente a respeito e impedir este absurdo... Só governos corruptos e burros não vêem a perda que foram para o Brasil as privatizações.
Sindy Mara Pepino

BRASIL E GLOBALIZAÇÃO
A princípio, quando do surgimento desse processo econômico mundial, os países emergentes, inclusive o Brasil, sentiram forte impacto negativo em seus desenvolvimentos. No decorrer dos anos, o Brasil buscou se adaptar à nova conjuntura socioeconômica mundial. Os ventos favoráveis que sopravam na sua política econômica contribuíram de forma decisiva para a sua adequação ao mercado globalizado.
Marcos Alberto