1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Carro explode após colidir com viatura na Champs-Élysées

Veículo entra em chamas depois de bater em van da polícia na famosa avenida de Paris. Promotoria antiterrorismo abre investigação sobre incidente, que resulta na morte do motorista.

Policial na Champs-Élysées

Polícia isolou área após incidente

Um carro colidiu com uma viatura policial e entrou em chamas na famosa avenida Champs-Élysees, em Paris, nesta segunda-feira (19/06). O motorista morreu no local. O automóvel estava carregado com um botijão de gás, segundo a polícia.

Segundo as autoridades, nenhum policial ou pedestre ficou ferido. A promotoria antiterrorismo francesa abriu uma investigação sobre o incidente. 

O ministro do Interior francês, Gerard Collomb, disse que os motivos que levaram o homem a causar a colisão ainda são desconhecidos. Ele afirmou que, além de explosivos, foram encontradas armas no veículo.

Collomb ressaltou que o incidente mostra que o nível de ameaça continua alto no país. Ele afirmou que apresentará na quarta-feira uma proposta para estender o estado de emergência em vigor, que terminaria em 15 de julho até 1º de novembro.

Segundo fontes da polícia, o autor da colisão teria sido identificado como um homem de 31 anos de um subúrbio de Paris, criado na ideologia salafista radical, e estaria levando consigo um fuzil kalashnikov e revólveres. O suspeito faria parte de uma lista de monitorados pelas autoridades de segurança francesa desde 2015, por ser integrante de um movimento radical islamita e não teria passagem pela polícia.

Após a colisão, a área, próxima ao Palácio do Eliseu, foi isolada, e duas estações de metrô da Champs-Élysees foram fechadas. Pelo Twitter, a polícia pediu que a população evitasse a área. 

O incidente na famosa rua de compras parisiense ocorreu apenas dois meses depois de um policial ter sido morto a tiros no local, três dias antes do primeiro turno da eleição presidencial francesa. Um bilhete elogiando o grupo extremista "Estado Islâmico" (EI) foi encontrado próximo ao corpo do atirador.

LPF/CN/afp/rtr/ap

Leia mais