1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Capital cultural 2005 aposta na modéstia

Cork, uma cidadezinha irlandesa em meio ao Rio Lee, é a capital cultural da Europa em 2005. Ela dispensará os programas grandiosos e pomposos, pois em Cork "fazemos arte e cultura o tempo todo, em cada esquina".

default

A rua principal de Cork

O guarda-chuva é um adereço indispensável durante uma visita a Cork, a nova capital européia da cultura . Pois, com uma média anual de 300 dias chuvosos, a Irlanda é a campeã pluvial da Europa. Ainda assim, os irlandeses são considerados o povo europeu mais feliz. A explicação, tipicamente irlandesa, é simples: "É que os pubs são cobertos".

O Charles, em Cork, é um pub que confirma todos os clichês do gênero: madeira escura, fogo de lareira, e, é claro, as sonoras risadas dos fregueses. Pois, para completar o quadro, é essencial estar povoada pela fauna humana local, tão comunicativa, hospitaleira, curiosa. E musical, claro: num pub que se preza não pode faltar a tradicional dupla de violinos, acompanhada por acordeão e banjo.

E é justamente o tocador de banjo da Charles, Shawn, quem dá uma explicação mais filosófica para o bom humor irlandês: "A chuva faz você realmente feliz. O sol só o deixa alegre por um curto tempo. Mas a chuva lava tudo, tudo fica fresco e limpo e claro."

O tigre que assusta

Os próprios guias turísticos admitem que Cork não é nenhuma beleza, à primeira vista: a segunda cidade mais importante da Irlanda – uma ilha de 130 mil habitantes, no delta do Rio Lee –possui uma zona para pedestres pouco expressiva. Um segundo olhar, nas áreas menos centrais, revela ruelas estreitas, escadarias íngremes e casas pitorescas em cores vivas. Mais adiante, um porto natural, emoldurado tanto por recifes acidentados e cinzentos, como por colinas verdejantes.

Cork in Irland

O 'Lynch's Quay', em Cork

Foi a partir do Porto de Cork que mais de três milhões de irlandeses deixaram a terra natal, para ir tentar a sorte na América. Mas Irlanda, que já foi ilha de emigrantes há muito virou um país de imigração. A sonolenta nação agrária tornou-se o "tigre celta", o maior exportador de software do mundo.

Segundo Mary McCarthy, diretora do programa Capital Cultural 2005, a Irlanda transformou-se radicalmente, nos últimos sete anos: "É a economia que cresce mais rapidamente, na Europa. Isso deixa muita gente com medo".

Cultura de pub

No tocante à programação cultural em si, Cork apostou na modéstia: ele dispõe de uma verba de 13 milhões de euros para o ano inteiro, um terço do orçamento da antecessora Lille. Em vez de grandes encenações e exposições, estão previstos projetos pequenos, porém de alta qualidade: leituras, encontros de corais, jazz, folk e teatro de rua. "Temos arte e cultura todo o tempo, em cada esquina", ostenta Mary MacCarthy.

Agnes, da Renânia-Palatinado, tem 18 anos, e participa de um programa de intercâmbio estudantil. Ela fornece a fórmula para conhecer bem Cork: "Vão ao pub! Basta passar um só minuto na taverna, e você é logo abordado, alguém pergunta de onde você vem e o papo começa. Todos são bem amigáveis aqui."

Afinal, segundo um velho e simpático provérbio irlandês, não há estranhos, apenas amigos que você ainda não encontrou.

Leia mais